RJ: MAM & EXPOSIÇÃO DE RON MUECK

Um dos passeios mais bonitos que cariocas e turistas podem fazer no Rio de Janeiro é no Parque do Flamengo. Afinal, não dá para dispensar as ilustres companhias da Baía de Guanabara, do Morro do Pão de Açúcar e do Cristo Redentor enquanto se caminha por um lugar tranquilo e cheio de verde. O parque é um lugar para caminhar, correr, pedalar, relaxar, brincar, meditar ou sonhar com aquela viagem enquanto se assiste às decolagens dos aviões que partem do Aeroporto Santos Dumont.

Hoje em dia, quando vou ao Parque do Flamengo (raras as vezes, confesso), automaticamente vem um filme à minha mente: a da minha infância. Quase todos os domingos, era para lá que meu pai levava toda a família. Infelizmente, hoje em dia o Parque do Flamengo já não é mais tão seguro como antigamente, por isso é sempre bom andar esperto por lá para não ser vítima de roubos, principalmente nas áreas mais desertas. Prefira os lugares mais movimentados e com policiamento.  

O Parque do Flamengo por si só já vale o passeio, mas se puder combiná-lo com uma visita ao Museu de Arte Moderna, o MAM, muito melhor! Se você, turista ou carioca que ainda não conhece o MAM, é daqueles que não curte museus e que só uma exposição fora de série é capaz de lhe tirar de casa para esse tipo de programa, então fique sempre de olho na programação do MAM e não desperdice a oportunidade. Os ingressos costumam ser bem acessíveis e alguns descontos são aplicáveis. Esta semana eu fui conferir uma dessas exposições imperdíveis, a do escultor australiano Ron Mueck. Com um talento fora do comum, o artista produz esculturas hiper-realistas e brinca com as proporções. Ron Mueck trabalha num ateliê em Londres e suas obras estão fazendo um sucesso enorme por onde passam, como aconteceu em Paris, por exemplo. Eu já acompanhava seu trabalho nos jornais e quando li que ele iria expor no MAM, pulei de felicidade. Fui conferir e só posso dizer o repetível: sensacional! 

O MAM fica na Av. Infante Dom Henrique, 85, no Parque do Flamengo. Confira todas as informações do museu em seu site. Depois de visitar o museu, aproveite para dar uma volta pelo Parque do Flamengo. Você pode ir andando até o Museu do Monumento aos Pracinhas e o Pórtico Monumental com um picolé ou saco de pipoca na mão, pois lá não faltam carrocinhas que vendem. Eu até já fiz uma postagem comentando sobre esse passeio: aqui. Se estiver na hora do almoço, você pode conferir o sofisticado restaurante francês do museu (mas não precisa visitar o museu para comer no restaurante), o Laguiole (e-mail do restaurante: contato@laguiole.com.br). Ou, se preferir algo mais informal e econômico, pode ir ao café do museu que também serve almoço e oferece ambiente aconchegante. 

Abaixo, mostro fotos do MAM com a exposição de Ron Mueck. Se quiser ver as fotos em alta resolução, é só clicar sobre elas. Viaje agora no imaginário de Ron Mueck e no realismo de suas obras!



Entrada do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, o MAM.


Na exposição, somos recebidos por uma das obras mais conhecidas de Ron Mueck: uma galinha.


As obras de Ron Mueck produzem efeitos hiper-realistas. As de tamanho gigante são as que mais me impressionaram porque os detalhes ficam mais evidentes. A galinha não parece de verdade?






Esta escultura da mãe e seu bebê também é bem famosa.


Observe os detalhes da mãe e do bebê e o grau de realismo. Mueck se inspirou numa cena que viu na rua para produzir esta escultura.


Olha os detalhes do rosto do bebê. Além dos detalhes físicos, a expressão do seu olhar, que parece falar.


Mas a obra de Mueck que mais faz sucesso mesmo é a do casal de idosos na praia, pois, além de ser a maior obra da exposição, é de proporção exagerada. O preciosismo nos detalhes é proporcional ao tamanho das esculturas.


Veias, unhas por fazer, calos, rugas, pelos... Tudo mostra-se real, embora não seja.    



Nenhum ângulo da escultura fica de fora do mesmo grau de realismo. A pele flácida, o dedo que mostra que a aliança já não sai mais, as dobras das posições corporais...


Veja o hiper-realismo. Não parece uma pessoa de carne e osso? As linhas do rosto são perfeitas. 





Esta é a escultura de um jovem ferido. Vê-se que o talento de Ron Mueck é esculpido principalmente na carne humana.







A mulher nua e acima do peso também me impressionou muito.


Olha a perfeição do rosto. Parecia que a mulher estava me enxergando.


De frente, de lado, de costas, nada destoa da perfeição.





A escultura dos dois adolescentes na rua.


A expressão nos rostos do casal.



Os detalhes nos gestos.


O homem no barco representa o pai de Mueck.


O olhar deste homem, ou melhor, desta escultura... Gente, como um artista consegue "humanizar" isso numa escultura?    


E, lá no fundo deste salão, está o grandioso artista, Ron Mueck!


Mas só seu autorretrato, em proporções gigantescas. Por dentro, esta escultura é oca. 


Mas do lado de fora é cheia de detalhes. Os poros no rosto, os dentes que não se escondem, a barba por fazer... Só faltou respirar rsrsrs



E nos despedimos da exposição de Ron Mueck com sua obra À Deriva. Foram nove peças ao todo. Pouco? Pela grandiosidade, não. 






Do interior do MAM, temos a vista do Pão de Açúcar. Um convite para um passeio na saída.



Interior do MAM. São dois andares de exposições de arte, mas a de Ron Mueck ocupou só o primeiro.


No segundo andar do MAM, outras obras de arte que merecem sua visita.








Na saída do MAM, ande um pouquinho e sente-se de frente para esta vista, com o Morro do Pão de Açúcar ao fundo.


E com o Cristo Redentor do outro lado.


E com estas lindas palmeiras à sua frente.


O jardim de pedras em frente ao MAM.


Uma loja de artigos de decoração ao lado do MAM. 


E, ao lado da loja, o café que também serve almoço. 



A loja e o café (ao fundo) ficam bem ao lado do MAM.



Esta foto do MAM foi tirada em outro dia, num feriado, na minha primeira tentativa de ver a exposição de Ron Mueck. Encontrei filas de dar voltas no pátio do museu. Impensável para mim aguardar. Fui embora e voltei outro dia, numa quinta-feira, sem nenhuma fila. Fica a dica: evite feriados e finais de semana para ver exposições desse porte no MAM. Ou compre os ingressos online.


Data desta visita: 15/05/2014.

2 comentários:

Regina Mendes disse...

Poucos dias depois que publiquei esta postagem na qual falei sobre a falta de segurança no Aterro do Flamengo, li no site do Dia que um ciclista teve sua bicicleta roubada no parque e, como ele tinha uma câmera acoplada a seu capacete, ele filmou o próprio assalto. Dê uma olhada na matéria, no site que mostro abaixo, e veja o vídeo do roubo. Leia também os depoimentos de pessoas que dão dicas dos lugares mais críticos do parque que devem ser evitados. De qualquer forma, acho que a área perto do MAM ainda pode ser considerada segura, mas fique sempre atento.
Fonte da matéria do Dia:
http://odia.ig.com.br/noticia/rio-de-janeiro/2014-05-22/video-ciclista-filma-roubo-da-propria-bicicleta-no-aterro-do-flamengo.html

Regina Mendes disse...

Olha só o sucesso que tem feito a exposição de Ron Mueck no Rio. Acabei de ler no site da Globo que o artista superou PICASSO em público. Veja o que a matéria diz:"RIO — O escultor australiano Ron Mueck superou ninguém menos que Pablo Picasso: sua exposição, em cartaz desde o dia 20 de março no Museu de Arte Moderna do Rio (MAM), atraiu 210 mil visitantes desde a estreia, 30 mil a mais que a frequência da mostra do espanhol, em 1999. A distância pode ser ainda maior, já que a exibição vai até 1º de junho [2014], conforme informou a coluna GENTE BOA."
Fonte:
http://oglobo.globo.com/cultura/ron-mueck-supera-picasso-bate-recorde-de-publico-no-mam-12571732