COMO É O CIRCUITO "LAGOA BONITA" NOS LENÇÓIS MARANHENSES

Veja também as seguintes postagens:

- Como é o Circuito "Lagoa Azul" nos Lençóis Maranhenses 

- Vassouras, Mandacaru, Caburé - o passeio 3 em 1 dos Lençóis Maranhenses

- Atins e Canto do Atins: belas lagoas, dunas e praias nos Lençóis Maranhenses

- Como são os melhores passeios nos Lençóis Maranhenses


Um dos melhores passeios (ou "circuitos") a se fazer nos Lençóis Maranhenses a partir de Barreirinhas (a principal "cidade turística" que dá acesso ao Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses) é à Lagoa Bonita. Aliás, sempre ouvi dizer que, nas proximidades de Barreirinhas (porque ainda existem as lagoas de Santo Amaro, mais distantes), essa era a lagoa mais bonita, daí o seu nome. No entanto, achei a Lagoa do Clone ainda mais bonita. Isso sem ainda contar as lindas lagoas de Atins. Eu nem sabia da existência da Lagoa do Clone, que tem esse nome porque algumas gravações da novela O Clone, da Rede Globo, ocorreram lá. Sorte minha é que ela fazia parte do nosso "Circuito Lagoa Bonita"

Na verdade, o guia sempre leva o turista para conhecer mais de uma lagoa (geralmente, pelo menos, três) durante o circuito escolhido. É que os Lençóis Maranhenses são formados por várias lagoas, algumas estão bem perto de outras; então, nesse caso, dá para ir caminhando entre elas. Algumas caminhadas são simples, mais planas. Outras são bem mais puxadas, subindo e descendo dunas (algumas bem íngrimes). Mas, como há momentos de descanso nas paradas para banho (o guia determina para o grupo qual lagoa será), o exercício físico não se torna tão árduo. E quem tem menos disposição ou preparo, pode ir caminhando mais lentamente, respeitando seu ritmo. Só não pode perder seu grupo/guia de vista, pois é muito fácil se perder naquele terreno "infinito" de areia e águas, que mais parece um deserto. Ou um paraíso... 

Depois da Lagoa Bonita, a Lagoa Azul é considerada por muitos a mais bonita do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, só não vamos compará-las com as de Santo Amaro, que dizem ser as mais bonitas de todas (não conheci); porém, estão bem mais distantes de Barreirinhas e é mais cansativo chegar a elas, principalmente num passeio bate-volta a partir de Barreirinhas. O passeio também fica incompleto. O mais proveitoso é se hospedar, pelo menos, dois dias em Santo Amaro.

Portanto, a maioria dos turistas que vão aos Lençóis Maranhenses fazem de Barreirinhas a base de seus passeios e dão prioridade à Lagoa Bonita e à Lagoa Azul. A dupla pode ser visitada num mesmo dia. É preciso ver a disponibilidade desse "tour combo" nas agências de turismo em Barreirinhas, mas sempre há na alta temporada. Entretanto, é indicado somente para aqueles visitantes com pouco tempo de viagem (dois dias em Barreirinhas, por exemplo) porque fica cansativo. O Circuito Lagoa Bonita "sozinho" (sem a Lagoa Azul) já é bem cansativo por causa da trilha que o veículo 4X4 tem que fazer (aproximadamente 40 minutos de muito saculejo) e de uma duna de 80 metros de altura que você tem que "escalar" (há uma corda para ajudar). É uma verdadeira aventura. Fora isso, e o calor que possa estar fazendo, o passeio aos Lençóis Maranhenses é bem tranquilo. No caso das duas lagoas (Lagoa Bonita e Lagoa Azul) serem visitadas no mesmo dia, o passeio começa por volta das 8:00 (eles pegam nas pousadas) e termina por volta das 20:00 (nas pousadas).

Como reservamos quatro noites em Barreirinhas (menos do que isso eu achei que seria um "desperdício de viagem"), visitamos a Lagoa Bonita e a Lagoa Azul em dias separados. Dessa forma, a Lagoa Bonita pode ser visitada de manhã ou à tarde. A maioria prefere à tarde porque o calor não é tão intenso, o vento do final da tarde ajuda a "refrescar" e o pôr do sol faz seu espetáculo. Por isso, escolhemos fazer o passeio à tarde, que começa às 14:00 com o embarque dos passageiros numa Toyota 4X4 (tipo jardineira) com capacidade para 12 passageiros (e mais um dentro da cabine, fora o motorista). Acho que fizemos a escolha certa; porém, acredito que o reflexo do sol da manhã naquelas dunas branquinhas deva deixar as fotos bem bonitas também. Enfim, cada período do dia tem suas belezas a serem admiradas e registradas.

Dependendo da época do ano, ou até mesmo da agência de turismo, um determinado circuito feito por um turista pode ter sido ou vir a ser um pouco diferente daquele realizado por uma outra pessoa. É que os roteiros são influenciados pela época do ano e pelo nível das águas das lagoas. Elas são um resultado da natureza, então não vão estar sempre exatamente do mesmo formato e cor, nem com a mesma profundidade. Inclusive as lagoas podem até mudar de nome. Por isso, os guias costumam levar os grupos àquelas lagoas que estão mais exuberantes dentro do "circuito", além da principal lagoa do circuito, é claro. Por exemplo, eu me lembrava de ter lido sobre a Lagoa do Peixe, que costuma fazer parte do "Circuito Lagoa Azul" (até porque elas ficam próximas), mas não cheguei a visitá-la em nenhum dos meus passeios nos Lençóis Maranhenses. O guia me explicou que havia outras ainda mais bonitas naquele momento.


Nosso Circuito Lagoa Bonita incluiu a contemplação de duas lagoas principais, a Lagoa do Clone e a Lagoa Bonita, com pausa para banho nas duas. Este foi o passeio mais cansativo que fizemos nos Lençóis Maranhenses (os outros foram o "Circuito Lagoa Azul", as lagoas de Atins e o passeio a Vassouras, Mandacaru e Caburé), mas valeu muito a pena. Foi o nosso primeiro passeio, por isso assustou um pouco a viagem no 4X4 por trilhas tão trepidantes, a ponto de, em certos momentos, termos de tomar cuidado para a cabeça não bater no teto do carro. Mas, na volta, eu já estava mais relaxada. É que aos poucos você vai entrando literalmente no ritmo. Não é que seja perigoso; é muito desconfortável. Você pode se machucar? Sim, mas só se você não tomar cuidado. Se você se segurar bem dentro do veículo e afastar seu rosto dos galhos de árvores quando passar pelos caminhos mais estreitos, caso esteja sentado numa das extremidades do carro, não há perigo. Mas não aconselho este passeio a quem tem problemas de coluna e a idosos (a não ser que tenham uma boa condição física e não tenham uma idade muito avançada) por causa do saculejo de fazer a bunda sair do assento. Entretanto, o idoso pode ir dentro da cabine ao lado do motorista (vi isso acontecer no passeio a Atins). Deve-se tomar cuidado com crianças também. Nunca as deixe sentadas nas extremidades do veículo porque elas são abertas e certifique-se de que elas estão dispostas a esse tipo de aventura. Deve haver uma idade mínima para fazer esse passeio, pois acho muito puxado para crianças.     

Algumas agências de turismo em Barreirinhas oferecem o Circuito Lagoa Bonita, entre outros tours, em serviço privativo, ou seja, um carro somente para você ou seu grupo. É claro que sai bem mais caro, mas, se você estiver com mais três pessoas, já vale a pena, mesmo ficando um pouco mais caro. Neste caso, o passeio é feito numa caminhonete Hilux para 4 pessoas (fora o motorista) e, portanto, acredito eu, deve ser mais confortável, além de não lhe expor ao risco de machucar o rosto com os galhos das árvores, pois a caminhonete é fechada.   

A partir de agora, vou narrar, com o apoio das fotos, como aconteceu nosso "Circuito Lagoa Bonita", do início ao fim. Tenha em mente que ele foi realizado no mês de julho, ou seja, na alta temporada, quando as lagoas dos Lençóis Maranhenses estão cheias e, portanto, bem mais bonitas. 



DESCRITIVO DE NOSSO "CIRCUITO LAGOA BONITA":

Às 14:00 aproximadamente, um veículo 4X4 nos buscou na pousada. A Toyota, com capacidade para 12 pessoas na "jardineira", já estava com vários passageiros quando chegou. Na alta temporada, os carros costumam sair lotados, principalmente nos passeios mais concorridos. Por isso, é bom reservar seu passeio com, pelo menos, um dia de antecedência, pois pode não haver mais vagas, apesar dos inúmeros veículos disponíveis nas diferentes agências de turismo. 

Depois, o veículo pegou os passageiros que faltavam em uma outra pousada. Em seguida, o motorista deu uma paradinha no supermercado caso alguém quisesse comprar alguma bebida ou lanchinho (biscoitos, por exemplo) para levar para o passeio, pois nos Lençóis não há onde comprar nada. Logo depois, seguimos até o ponto onde há uma balsa que faz a travessia dos veículos e dos passageiros no Rio Preguiças, que dá acesso ao Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Era um sábado e havia um movimento intenso de visitantes. Porém, nossa agente de turismo disse que, na alta temporada, o dia da semana não faz muita diferença, ou seja, todos os dias são bem disputados. Mas eu achei que houve diferença sim. 

OBS: Se quiser ver as fotos ampliadas, é só clicar em cima delas.
O transporte até os Lençóis Maranhenses é feito em Toyotas 4X4 especialmente adaptadas para andar nas trilhas que levam ao Parque. O grupo é conduzido até este ponto, onde é feita a travessia do Rio Preguiças, com a ajuda de uma balsa. A travessia é rápida, o que demora é a espera pela vez do seu veículo entrar na balsa, quando há muitos turistas na cidade. Quando chegamos aqui (depois de cerca de 20 minutos a partir da pousada), precisamos sair dos carros e ficar à espera. Repare na fila à esquerda, em frente a umas casinhas que vendem artesanato local. É a galera esperando para subir na balsa, depois que seus carros entrarem. Esperamos por cerca de 25 minutos. Este foi o dia que demorou mais. Quando fizemos o passeio a Atins, numa terça-feira, não havia quase ninguém aqui.


Aqui esperávamos a balsa ir e voltar até chegar a nossa vez de entrar. É preciso molhar os pés aqui, pois a água pode chegar até a panturrilha. Por isso, vá de chinelos.


Neste momento, estamos na balsa, ao lado de nossos veículos, fazendo a travessia do Rio Preguiças, que dura cerca de dez minutos.

Quando chegamos na outra margem do rio, entramos novamente nas Toyotas e foi aí que começou nossa aventura. O carro percorre por aproximadamente 40 minutos uma trilha de areia até chegar ao "estacionamento" aos pés da duna que leva à Lagoa Bonita. Essa duna quem sobe são suas pernas. A maior parte do percurso de carro dá direito a muito saculejo, como expliquei acima. Há algumas áreas de alagamento (mas para Atins há muito mais), então, devido às condições da estrada, o carro pode atolar. Nesse caso, é preciso esperar por ajuda. Isso não chegou a acontecer com a gente, mas presenciamos com outro carro. Faz parte da aventura. Mas pior do que a trepidação e os alagamentos são as estradas bem estreitas ladeadas por muitas árvores. Até chegar à Lagoa Bonita, há muitos caminhos assim. E, como já disse acima, se você estiver sentado na extremidade (muitas vezes, não há como evitar sentar na extremidade porque as pessoas que viajam juntas não querem sentar separadas), você pode se machucar com os galhos que batem nas laterias do veículo. Se o carro passasse devagar, não haveria perigo, só que não é assim. É um tal de ouvir o treque-treque dos galhos na carroceria... Chega a assustar. Meu marido foi um dos que sentaram na ponta do carro, mas ele não se machucou em nenhum momento. Tomou os devidos cuidados, colocando o rosto mais para dentro do veículo nos momentos cruciais. A grande vantagem de ir em passeio privativo é que por esse perigo de se machucar com as árvores você não passa, já que a caminhonete é toda fechada. 

Depois, então, do carro estacionado, subimos a tal duna onde pagamos nossas penas (esta, da foto abaixo), que cresceu com o tempo. Não é mais de 40 metros, mas sim de 80. Na foto, não dá para perceber o quão íngrime ela é. Mas, prepare-se, porque você vai ter que fazer um esforço físico. Para descer, foi molinho, mas, para subir, foi bastante "queimação de coxas". Mas, olha só: eu fui fazendo a subida com uma certa calma e nem precisei me agarrar à cordinha para chegar ao topo. Em dez minutos mais ou menos, eu já estava no topo da duna. Quem tem menos preparo físico leva mais tempo, mas chega lá também, a não ser quem tenha problema nos joelhos, coisas assim... Cada um sabe de si, né? Mas, não havendo nenhum problema físico, é só você ir com calma e levar na esportiva. Lembro que havia um visitante muito engraçado, que brincava o tempo todo enquanto subia a duna. Ele perguntava em voz alta para o grupo: "Alguém me empresta uma perna aí?" rsrsrs Enfim, encare a dificuldade com bom humor que aos poucos você chegará lá, então relaxe. Todos chegaram. Mas vá com disposição!  

Subindo a duna de 80 metros que dá acesso à Lagoa do Clone e à Lagoa Bonita. É para ir descalço porque a areia é fria e os chinelos podem atrapalhar.


Mais ou menos na metade da duna, há uma corda fixada no local para ajudar na subida. Algumas pessoas conseguem dispensar a corda.


Aqui essas pessoas estão quase terminando a subida da duna. A corda (à esquerda, na foto) ajuda muito. Observe também a criança no grupo. A maioria dos visitantes são adultos, mas vi muitos crianças também (até mais jovens do que esta), apesar do passeio ser "puxado". 

E, assim que termina a subida da duna, você logo avista aquele campo enorme de areia branca formado por diversas lagoas. Que visão! Quem vê os Lençóis Maranhenses pela primeira vez nunca esquece desse momento. São de encher os olhos e não adianta eu tentar mostrar em imagens porque foto nenhuma consegue dar a dimensão. Só mesmo estando lá, ao vivo e a cores. E não é preciso haver muitas para darem conta do espetáculo. É o branco da areia e o azul e o verde das lagoas. E precisa de mais? Só se for do tom dourado que o sol empresta ao se pôr. É lindo!   


Eu sabia que iríamos tomar banho em alguma dessas lagoas, então eu só me perguntava em qual, pois qualquer uma seria maravilhosa. E essa possibilidade me dava uma sensação indescritível, pois não dava nem para acreditar que eu iria interagir com aquela natureza exuberante e perfeita.


As lagoas se enchem após a temporada das chuvas, pois elas são formadas com a água da chuva.


Lençóis Maranhenses - Circuito Lagoa Bonita


Nessa imensidão de dunas, é bom não se distanciar muito de seu guia. É fácil se perder.


Após uma caminhada na areia de cerca de quinze minutos, subindo e descendo "pequenas" dunas, você está perto das lagoas. 


E lá vão os visitantes subindo mais uma duna. Para quem passou pela primeira, esta é café com leite. Bem mais leite do que café rsrsrs É que as areias são branquinhas.


Reclamar do quê, se as dunas são parte integrante e fundamental da beleza dos Lençóis Maranhenses?  


E, então, chegamos pertinho da Lagoa do Clone, que, pelo que entendi, é formada por diversas lagoas "pequenas". E foi por isso que eu a achei ainda mais bela do que a Lagoa Bonita, que veríamos depois. Muitas vezes você verá que dois, três ou mais lagoas são continuação da mesma, separadas pelas areias. Mudando de assunto, está conseguindo identificar, à direita da foto, uns pontinhos em cima da areia e dentro de uma lagoa? Ampliando a foto (é só clicar nela), dá para enxergar melhor esses "pontinhos", que são pessoas. Daí você já tem uma ideia da dimensão deste lugar.


A imensidão dos Lençóis Maranhenses...


Veja que também há vegetação no cenário dos Lençóis Maranhenses.


Lagoa do Clone - Lençóis Maranhenses


Lagoa do Clone - Lençóis Maranhenses


E esta foi nossa primeira parada para banho, na Lagoa do Clone. Ficamos aqui por cerca de 40 minutos, tempo suficiente para tirar muitas fotos, testando as melhores poses em diferentes ângulos e, claro, para se banhar nessas águas deliciosas.


E por que eu digo que as águas dessas lagoas são deliciosas? Porque elas são quentinhas e a maioria delas rasas. Não são somente as crianças que adoram, os adultos também! Nesta parte da lagoa, a água não chegava nem na nossa cintura (é que estamos meio agachados nesta foto). Mas não se aventure se distanciando do seu guia e pulando em qualquer lagoa sem antes perguntá-lo sobre a profundidade. Em Atins, por exemplo, havia uma lagoa que tinha uma parte rasa e a outra funda, de mais de dois metros de profundidade (isso, pra mim, é fundo, tá?).


Lagoa do Clone - Lençóis Maranhenses


Eu achava incrível ver como algumas pessoas conseguiam ficar sentadas no meio daquelas dunas altas, então fui experimentar ver como é ficar deitada. E não é que você não cai? Não dá para notar na foto, mas esta duna é bem vertical. Talvez na foto abaixo dê para perceber melhor.





Depois do banho na Lagoa do Clone, fizemos uma caminhada de cerca de 20 minutos até a Lagoa Bonita. No caminho, você encontra outras lagoas, como esta aqui.


E lá fomos nós descendo mais uma duna, a caminho da Lagoa Bonita (mas ainda não é esta da foto). Não é difícil descer as dunas, mesmo elas sendo bem altas e verticais (algumas mais do que outras). Mas é claro que você tem que ter um certo cuidado para não cair e ir rolando ladeira abaixo rsrsrs É só ir devagar e afundando os pés na areia fofa para você se apoiar. Juro, esta parte não foi difícil. E não vi ninguém cair.


Para chegarmos à Lagoa Bonita, precisamos atravessar esta lagoa rasinha. Aliás, atravessar lagoas (a pé, não nadando, não se preocupe rsrsrs) é uma coisa comum que os guias nos levam a fazer nos passeios nos Lençóis Maranhenses. Em Atins, atravessamos uma mais funda, com água até a cintura, então é preciso levantar as bolsas e mochilas para não molhá-las. 


Visitantes atravessando a lagoa para chegarem à mais famosa de todas neste circuito, a Lagoa Bonita.


E chegamos à Lagoa Bonita! E pausa de cerca de 40 minutos para banho e fotos. Os guias dos passeios são muito gente boa (pegamos quatro diferentes e todos foram solícitos) e tiram fotos para você, se você pedir. E até dão dicas dos melhores ângulos!


Lençóis Maranhenses


O banho da galera na Lagoa Bonita. Está um pouco cheia de visitantes, não é verdade? O mais legal é quando você encontra lagoas quase desertas, pois dá a sensação de que elas são só suas (sou egoísta rsrsrsrs) e as fotos ficam mais bonitas. Porém, nem sempre isso é possível. Vários grupos fazem o mesmo circuito no mesmo horário, e a Lagoa Bonita, por exemplo, todo mundo quer ver. Lagoas mais desertas, você vai encontrar em Atins.   


O delicioso banho de lagoa na Lagoa Bonita!


Você ficará seduzido pelas curvas da Lagoa Bonita.


E quando está perto da hora do pôr do sol, a parada para o banho acaba e o guia leva o grupo (a pé, é claro) para o topo daquela duna onde o passeio se iniciou. O motivo? Assistir ao espetáculo do pôr do sol "sobre" aquele "deserto branco".


O sol se pondo nos Lençóis Maranhenses.


Enquanto o sol dá seu show de luz ao se pôr, os visitantes fazem pequenas caminhadas pela areia à procura dos melhores ângulos para selfies e fotos, ou esperam calmamente sentados até o fim do espetáculo.


Então, no topo da tal duna onde as pessoas esperam até o sol se despedir, avistamos a área de estacionamento onde ficaram nossos veículos 4X4. Neste momento, nosso guia Zequinha nos mostrou a trilha que o nosso carro fez até chegarmos aqui. Não dá para identificar na foto porque só conseguimos ver o matagal. Mas ele apontou para a parte esquerda da foto. Deu para entender por que a trilha é estreitinha e por que é inevitável os galhos das árvores baterem nos carros? 


As Toyotas 4X4 e os motoristas (cada carro sai com um motorista e um guia) ficam lá embaixo, esperando os visitantes descerem a mesma duna que subiram (a tal de 80 metros). As casinhas rústicas que vemos nessa área vão estar, no final do passeio, com pessoas vendendo tapiocas (feitas na hora, é claro) e castanhas. Então, há uma pequena parada ali.   


A galera assistindo ao pôr do sol nos Lençóis Maranhenses, no Circutio Lagoa Bonita. 


A selfie com o pôr do sol nos Lençóis Maranhenses


Você terá bastante tempo para tirar muitas fotos até o sol se despedir.



Pôr do sol nos Lençóis Maranhenses - Circuito Lagoa Bonita


Pôr do sol nos Lençóis Maranhenses - Circuito Lagoa Bonita. Aqui eu usei a função "pôr do sol" da máquina fotográfica, então o tom dourado ficou mais intenso. Mas, mesmo naturalmente, o reflexo do sol nas águas das lagoas deixa todo aquele cenário deslumbrante.  


Esta é uma das tais casinhas (tendas) que ficam no estacionamento das quais falei acima. As moças/senhoras fazem as tapiocas na hora. Então, se tiver fome, dá tempo de comprar uma tapioca antes de embarcar de volta a Barreirinhas.


As tapiocas sendo preparadas. Nestas tendas, você também encontra alguns itens de artesanato à venda.

Chegamos em Barreirinhas por volta das 19:30. No caminho de volta, é o mesmo tempo de viagem com direito aos mesmos saculejos, e você vai precisar pegar a balsa novamente para atravessar o Rio Preguiças. Lembre-se do que eu falei: dependendo do dia e da quantidade de visitantes, você pode ter de esperar um pouco (em torno de 20 a 30 minutos) para chegar a vez do seu veículo entrar na balsa. Por isso, em frente ao rio, há mais tendas com pessoas vendendo tapiocas. Dá tempo de pedir a sua.

Não há cobrança de ingresso para entrar no Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. Você só paga pelo passeio escolhido. Fizemos este tour (Circuito Lagoa Bonita) com a Natural Eco Turismo. Mas nós contratamos o serviço com a agência de turismo de nossa pousada, Hotel Pousada do Buriti. Na verdade, quase todas as pousadas em Barreirinhas podem agendar os passeios para seus hóspedes, mas elas repassam para as agências de turismo da cidade. Nós fizemos todos os passeios através de nossa pousada porque achamos mais prático (a agência fica dentro da pousada) e ainda ganhamos um descontinho.

Nenhum comentário: