MACEIÓ: PRAIAS E PISCINAS NATURAIS

Maceió encanta com suas praias e piscinas naturais. Aliás, todo o litoral de Alagoas é lindo, o sonho de viagem de muitos brasileiros e estrangeiros. Talvez Maragogi seja a região mais sonhada, pois é um lugar paradisíaco e comparado com o Caribe por causa da cor do mar e dos coqueiros. Mas a capital alagoana por si só é uma grande atração e vale muito a pena reservar pelo menos dois dias só para ela. Há muitas opções de passeios oferecidas por agências de viagem, mas você também pode fazer vários deles por conta própria, contando com os transportes públicos ou com um carro alugado. 

Minha viagem a Maceió foi planejada meio em cima da hora. Quando eu percebi que um dos meus dias de folga coincidiria com o meu aniversário, não tive dúvidas e imediatamente decidi que eu queria comemorá-lo viajando. Era algo inédito na minha vida. Eu sempre quis, mas nunca tive a oportunidade. Então, Maceió foi um presente que eu dei a mim mesma. Mas, infelizmente, a viagem não foi bem aproveitada. Para falar a verdade, foi a primeira viagem azarada que eu tive. E justo esta que eu queria que fosse especial por causa do meu aniversário. 

Dois motivos atrapalharam muito os quatro dias e meio que passei em Maceió: uma tosse alucinante que não me deixava pregar o olho durante as noites (já saí do Rio assim) e as chuvas incessantes na capital alagoana. Não sei se você já passou por isso, mas eu fiquei uns seis dias consecutivos sem dormir quase nada por causa de uma tosse (provavelmente por conta de alguma virose) e não havia remédio, anti-alérgico ou xarope que dava jeito. E as chuvas em Maceió... Gente, o que era aquilo? Nunca pensei que fosse pegar tanta chuva em dias consecutivos no Nordeste. A razão foi uma frente fria que chegou à cidade. Choveu tanto que o bairro onde nos hospedamos chegou a ficar sem luz por algumas horas. Diga-se de passagem que o período de chuvas em Maceió é entre abril e julho e não em outubro, mês que eu visitei a cidade. 

Conclusão: não vi o verde esmeraldo do mar maceionense, entrei nas piscinas naturais quando estavam impróprias para o banho, fiquei horas confinada no hotel, não vi as falésias da Lagoa Azeda e não realizei todos os outros passeios que eu queria. Se não fosse uma brechinha que a chuva deu no terceiro dia, eu quase não teria o que mostrar dessa bela cidade nordestina. Esse foi o dia em que mais aproveitamos Maceió e na maior pressa, antes que São Pedro mudasse de ideia. Eu fiquei no maior mau humor. Mas, agora, repensando a viagem, sabe que, apesar de tudo, valeu a pena? Abaixo conto os detalhes! 




Maceió Shopping:

Se você acha estranho começar esta postagem, que é sobre uma das cidades litorâneas mais lindas do Brasil, com uma foto de um shopping center, eu concordo plenamente! Mas foi exatamente por ele que começou nosso "tour" na cidade. Como falei acima, Maceió nos recebeu com muita chuva, daquelas que não dão trégua. Então, depois do check-in no hotel e de esperar em vão pelo fim da chuva, resolvemos ir ao Maceió Shopping, adiando definitivamente para o dia seguinte a intenção de explorar a cidade (doce ilusão...). O Maceió Shopping é uma boa opção para as compras, especialmente num dia de chuva. Tem tudo o que um shopping deve ter, com todas aquelas lojas de rede conhecidas no Brasil; enfim, nada de especial.


Restaurante Imperador dos Camarões:


A ansiedade de acordarmos com o sol brilhando no dia seguinte era grande, mas a decepção foi imediata ao abrirmos as cortinas do quarto do hotel. A chuva continuava, deixando as ruas vazias de gente e um rastro de melancolia. Então, passamos a manhã confinados no hotel. Aproveitei o tempo ocioso para fotografar as dependências do hotel, o que rendeu inúmeras fotos. À tarde, só saímos para almoçar. Pedimos na recepção do hotel para chamarem pelo traslado gratuito de ida e volta oferecido pelo Imperador dos Camarões, um famoso restaurante de Maceió que serve peixes e frutos do mar.


Há duas unidades do Imperador dos Camarões em Maceió. Uma delas é esta aqui. Um restaurante grande, todo coberto, com vários ambientes e de frente para a Praia de Pajuçara, mas com a Av. Dr. Antônio Gouveia entre o restaurante e o calçadão da praia. Já a outra unidade fica mesmo no calçadão da Praia de Pajuçara (fica perto da Feirinha do Artesanato), mas é menor, mais informal e conta com uma parte coberta e outra descoberta. Muitos preferem essa unidade por causa da vista mesmo de cara para a praia.



Nossa comidinha no Imperador dos Camarões.


O prato mais famoso do Imperador dos Camarões é o Chiclete de Camarão e dá para entender o porquê do nome olhando para a foto. O prato é individual, mas achei muito só para uma pessoa, mas também é pouco para duas pessoas. É que como ele vem muito caprichado no queijo acaba ficando um pouco enjoativo só para uma pessoa, pelo menos, foi para mim. O ideal é pedir esse prato com mais alguma coisa. Mas o Chiclete de Camarão é muito gostoso. Para quem gosta de queijo e camarão, tem aí uma combinação perfeita! 


Fachada do restaurante Imperador dos Camarões. Fica a dica.


Balada noturna - Maikai:

O que resta para se fazer em Maceió quando há muita chuva? Comer, é claro! Por isso, novamente, só saímos do hotel neste dia para comer. A night foi passada na choparia Maikai, uma das referências da cidade para quem curte música ao vivo com banda. E, olha, apesar da chuva forte, a casa estava lotada! Era um sábado, então, imagina. Por sorte, conseguimos na hora uma mesinha para duas pessoas no final do salão. Gostamos muito de lá e o bom é que deu para ir a pé a partir do nosso hotel. 


Praia de Jatiúca:


No dia seguinte, um domingo, após 48 horas de muiiita chuva, conseguimos finalmente dar uma caminhada ao longo da orla das três principais praias urbanas de Maceió: Jatiúca, Ponta Verde e Pajuçara. Na verdade, o dia amanheceu chuvoso, mas depois deu uma pausa. E foi aproveitando essa pausa que saímos correndo para o calçadão da praia, antes que voltasse a chover de novo. Aqui, vemos o trecho da Praia de Jatiúca em frente ao hotel Maceió Atlantic Suites. Seu city tour em Maceió pode começar com uma bela caminhada pelo calçadão da Praia de Jatiúca até a Praia de Pajuçara. Ou o contrário, dependendo de onde você estiver hospedado. Ponta Verde fica no meio das duas. 


O calcadão da Praia de Jatiúca, que conta com ciclovia.


Praia de Jatiúca.


Praia de Jatiúca, com a areia bem suja devido às chuvas.



Praia de Jatiúca, após chuvas.


O mar da Praia de Jatiúca.


As rústicas jangadas de madeira descansando nas areias da Praia de Jatiúca.



Praia de Ponta Verde:

A Praia de Ponta Verde é continuação da Praia de Jatiúca. Na foto, o bem recomendado restaurante Spettus Steak House, que tem o formato de um castelo medieval. Fica em Ponta Verde, de frente para a praia.


Em Ponta Verde, a gente começa a ver um maior número de barracas de praia com uma estrutura maior. Há alguns que são bem amplos como este, o Barrica's Bar e Restaurante, que oferece três ambientes e música ao vivo a partir das 20 horas, com repertório variado.



Barrica's Bar e Restaurante, em Ponta Verde. Várias dessas barracas de praia oferecem muitas mesas com guarda-sóis e são muito convidativas. Afinal, mar, sol, petiscos, chope gelado, tudo a ver, né? J


Praia de Ponta Verde.



Outra grande barraca de praia à beira-mar com música ao vivo, na Praia de Ponta Verde, é o Camarão Pimenta. Para opiniões dos clientes, clique no Tripadvisor.


Das três principais praias urbanas (Jatiúca, Ponta Verde, Pajuçara), a de Ponta Verde é a mais aprazível.



Uma caminhada ao longo da orla da Praia de Ponta Verde é indispensável no roteiro do turista.   



Neste trecho da Praia de Ponta Verde já não vemos restaurantes no calçadão, por isso é mais tranquilo.



A Praia de Ponta Verde vira área de lazer aos domingos, o que quer dizer que fica interditada para carros.



Então, a Avenida Silvio Vianna, em Ponta Verde, fica aos domingos tomada de gente caminhando, crianças brincando, famílias pedalando etc.



A Praia de Ponta Verde num dia de domingo.



Lopana é considerada a melhor barraca de praia de Maceió e também fica em Ponta Verde. Oferece passeio de catamarã até as piscinas naturais e música ao vivo. Já deu para ver que as boas barracas de praia ficam mesmo é em Ponta Verde. 



Maceió é considerada a cidade que tem as praias urbanas mais bonitas do Nordeste! E a Praia de Ponta Verde é a mais bonita delas! 



Durante a caminhada pela orla das praias, nada melhor do que uma parada para tomar uma água de coco bem geladinha!



No caminho da Praia de Ponta Verde à Praia de Pajuçara. 



Chegando à Praia de Pajuçara.



Praia de Pajuçara:

A Praia de Pajuçara é continuação da Praia de Ponta Verde e você logo vai perceber quando chegar a ela. Na Praia de Pajuçara, há muito mais turistas, guarda-sóis na areia e vendedores de rua que vendem, entre outras coisas, acarajé. Agora, olha como a praia está cheia aproximadamente uma hora após chuva. Parece que todo mundo estava como a gente, de espreita, esperando uma treguinha para rumar pra praia. Se estava assim num dia nublado, pós chuva, no mês de outubro, imagina nos dias ensolaradérrimos de verão!



Pajuçara é mais aglomerada provavelmente por ser lá onde estão as famosas piscinas naturais de Maceió. A Praia de Pajuçara é também a mais central.



É na Praia de Pajuçara onde você vai encontrar as maiores feiras de artesanato. São barraquinhas e mais barraquinhas que vendem aquelas coisinhas de sempre: camisetas, chaveiros, imãs, objetos de decoração, saídas de praia, tecidos rendados etc. Nada de diferente. Na foto, o Pavilhão do Artesanato.



Na Praia de Pajuçara, há também esta outra feirinha de artesanato.



Barraquinhas da Feirinha de Artesanato da Pajuçara. É um bom lugar para comprar as lembrancinhas de Maceió por um ótimo preço.



E esta é a outra unidade do Imperador dos Camarões (barraca de praia), na Praia de Pajuçara.



A barraca de praia do Imperador dos Camarões oferece dois ambientes, na parte externa, ao ar livre, mas com guarda-sóis (foto acima), e na parte interna, que é coberta e que oferece mais conforto.



As embarcações que levam às famosas piscinas naturais de Pajuçara.



Mas não pense que para ir às piscinas naturais basta chegar à Praia de Pajuçara a qualquer hora e embarcar numa jangada junto com outros visitantes. É preciso consultar a tábua da maré para saber dos horários da maré baixa, o que pode ser obtido na recepção do seu hotel, com os jangadeiros ou no site da Marinha. Como iríamos visitar as piscinas naturais dois dias depois (já tínhamos um passeio marcado para o dia seguinte), aproveitamos o passeio até a Praia de Pajuçara, de onde partem as jangadas, e perguntamos a um dos jangadeiros a que horas teríamos de estar a postos ali. E a resposta foi: "Às 7:30 da manhã". Isso mesmo, bem cedinho assim. Se não, não daria para ver os peixinhos. E lá já marcamos tudo, inclusive já até sabíamos qual seria a nossa jangada - bem essa daí da foto, chamada "Simone". Veja que as jangadas são bem simples.


Restaurante Divina Gula:

Após caminharmos pelas 3 famosas praias de Maceió, pegamos um táxi para o hotel e depois fomos a outro restaurante muito recomendado na cidade: o Divina Gula.  Você vai ler esse nome nos guias de viagens, nos panfletos da recepção do hotel e, com certeza, vai ser uma das dicas gastronômicas do seu taxista. Então, lá fomos nós conferir o tão bem falado Divina Gula. Apesar de fazer fama em Maceió, a especialidade deles é comida mineira.


O Divina Gula fica em Jatiúca. O restaurante tem vários ambientes e nós preferimos ficar nas mesinhas ao ar livre. 



Comidinha boa, ! Se eu fosse você, também dava um pulinho lá, no Divina Gula. E os preços são razoáveis, viu?



A night maceionense:

Além da choparia Maikai, da qual já falei acima, há muitos bares e restaurantes para se passar a night comendo e bebendo em Jatiúca. Muitos com música ao vivo. É só andar pela Av. Dr. Antônio Gomes de Barros que você vai ver vários deles. Por exemplo, tem o Restaurante Dona Branca, o Alagoana Bar e Botequim, o Restaurante Bicho do Mar, o Armazém Guimarães etc. Nas redondezas também há mais bares/restaurantes. Vou me limitar a falar só da região de Jatiúca porque foi onde nos hospedamos e bastou uma pequena caminhada para encontrarmos várias opções para comer e beber à noite.



O Armazém Guimarães, na Av. Dr. Antônio Gomes de Barros, serve pizzas daquelas que a gente já tem vontade de comer com os olhos. Foi eleita três vezes pela revista Veja Maceió como a melhor pizzaria da cidade.



As barracas de praia também são ótimas opções para o programa da noite, pois muitas funcionam até tarde e ficam assim, animadas, cheias de gente. Há desde as menores e mais informais até as maiores e com shows, como a barraca Lopana (em Ponta Verde), que mostrei acima. Enfim, há barracas de praia para todos os gostos. A barraca da foto é uma das que existem na Praia de Jatiúca.



Agora, se bateu aquela vontade de comer tapioca à noite, você também tem um lugar certo para ir: as tapioqueiras da Jatiúca. São várias barracas de tapioca no calçadão da praia que vendem a iguaria com tudo que é tipo de recheio.



Praia do Francês:

Mais um dia em Maceió e este amanheceu especial para mim. Era uma segunda-feira, meu aniversário! E eu estava confiante que São Pedro iria me presentear com um dia sem chuva. Mas o dia amanheceu bem nublado, pois a madrugada tinha sido novamente de chuva. Mas, tudo  bem, contanto que não chovesse, eu estaria feliz da vida, pois praia e chuva, nada a ver. Então, confirmamos nosso tour privativo para a Praia do Francês, a Praia da Barra de São Miguel  e a Praia do Gunga, nessa ordem. Esse é um dos passeios mais famosos a se fazer a partir de Maceió e é para o dia inteiro. A Praia do Francês está a 23 km do centro de Maceió, ao sul e a 20 minutos, no município de Marechal Deodoro, e é esta que mostro na foto.



Quando chegamos em Maceió, no caminho para o hotel, o taxista foi espontaneamente nos informando sobre os pontos turísticos da cidade. Entre outras coisas, disse para evitarmos a Praia do Francês nos finais de semana por ficar cheia demais. É muito frequentada pelos locais. Por isso, tive todo o cuidado de marcar este passeio para um dia de semana. Então, fomos numa segunda-feira, mas a Praia do Francês estava lotada. Numa segunda-feira muito nublada de outubro. Portanto, se alguém lhe disser que a Praia do Francês é uma muvucada, acredite! Imagina esta praia na alta estação, num fim de semana e num dia ensolarado. Os restaurantes-barracas também ficam bem cheios.  



Agora, olhando para o lado positivo da Praia do Francês: ela atrai famílias com crianças, pois possui águas mansas e piscinas naturais (formadas pelos recifes), mas somente para este lado esquerdo. Entendeu por que a praia enche? O lado direito tem ondas fortes e é ideal para surfistas.



Infelizmente, São Pedro não estava mesmo de bom humor nessa semana. Não deu nem tempo de tirar a roupa para dar um mergulho na Praia do Francês, pois a chuva começou a cair forte. 



E todo mundo foi correndo se abrigar nessa barraca aí ao fundo rsrsrs Mais uma vez, meus planos por água abaixo...



Praia da Barra de São Miguel:

Ainda esperamos um pouco dentro do carro, em frente à Praia do Francês, para ver se a chuva parava, mas nada... Então eu pedi para o nosso motorista/guia seguir para a praia que seria a segunda parada do tour, a Praia da Barra de São Miguel, esta da foto. Na maré baixa, formam-se piscinas naturais nesta praia. Mas não se anime olhando para esta foto e achando que, enfim, você encontrou seu pedaço de tranquilidade. Estava chovendo! A Praia da Barra de São Miguel também é muito procurada pelos alagoanos.  



Na foto, um trecho da Praia da Barra de São Miguel. É do cais da Barra de São Miguel que partem os saveiros que atravessam o rio e levam à Praia do Gunga (a travessia leva cerca de 20 minutos), nossa próxima parada - e a melhor das três.



Praia do Gunga:

A Praia do Gunga, que fica no município de Roteiro, vale muito mais a pena de ficar do que a do Francês e a de São Miguel. Apesar de eu não ter aproveitado nenhuma das três por causa da chuva, o pouco tempo em que transitei por elas já deu para ver que a do Gunga é mais bonita e mais tranquila, se você fugir da parte onde fica a muvuca, que é onde estão os quiosques. A orla fica dentro de uma fazenda particular, então, para chegar lá de carro, você vai ter de passar por essa fazenda, entretanto a travessia é gratuita. Mas você também pode chegar de saveiro, saindo de Barra de São Miguel. Assim que chegamos à Praia do Gunga, o que mais nos chamou a atenção foi a quantidade de bugues.


Na Praia do Gunga, há barracas que vendem artesanato, cangas etc. assim como quiosques que vendem comida e bebida, mas parece que o comércio de lá fecha bem cedo, às 16 horas, o que garante uma praia deserta para você depois desse horário. Nós saímos de lá antes disso. Advinha por quê... A chuva que nos perseguia, é claro...



Esta é a área coberta de um dos quiosques da Praia do Gunga, que estava lotada. O quiosque serve bebidas e comidas como água de coco e petiscos diversos. Assim que chegamos, já começou a chover novamente, então ficamos um tempo aqui até a chuva dar uma trégua e a gente poder, pelo menos, dar uma caminhada na praia, o que, por si só, já vale muito a pena. 



Por uma boa extensão da Praia do Gunga, ficam essas mesas e cadeiras de plástico na areia à espera do visitante. Não é uma das imagens mais bonitas que se vê por aqui.


São muitas mesas e cadeiras mesmo, o que já dá uma ideia de como esta parte da Praia do Gunga deve ficar na alta estação.


Há ainda muitas cadeiras vazias aqui, mas é porque o tempo estava ruinzinho mesmo. Esta é a parte menos interessante da Praia do Gunga. Para aproveitar o melhor desta praia, é preciso se distanciar daqui.



Na foto, os quiosques da Praia do Gunga que vendem artesanato e roupas. Ficam perto da área da muvuca. 


A Praia do Gunga é muito procurada não somente por causa de seu visual, mas também por causa de suas águas calmas. Agora, tá vendo aquela infinidade de coqueirais ao fundo? É para lá, ou seja, à direita da praia, que você tem que se dirigir para encontrar um pedaço de praia paradisíaca e praticamente deserta.  



Então, é somente afastada do tumulto que a Praia do Gunga vai ficando interessantemente mais deserta e mais bonita. Os bugueiros seguem para aquela direção, levando os visitantes até as falésias da Lagoa Azeda. Li que também é possível chegar às falésias a pé, mas que a caminhada é longa. 



Veja, a muvuca e os quiosques ficaram para trás. Observe como a Praia do Gunga fica praticamente vazia do lado de cá.



A Praia do Gunga é considerada uma das mais bonitas do Brasil e, com certeza, esses coqueirais cooperam para esse conceito. Não deixe de caminhar até aqui, se não você vai perder o melhor da Praia do Gunga. O visual é muito lindo.



Quando chegamos aqui, encantados com o visual, quase chegamos a contratar um bugueiro para nos levar às falésias da Lagoa Azeda, mas, justo na hora, voltou a chover pra valer e concluímos que o passeio não valeria a pena, ainda mais que ele não é barato. Decepcionados com o mau tempo, voltamos para o hotel. De qualquer maneira, a Praia do Gunga foi a última parada do tour.



Restaurante Bodega do Sertão:


O almoço do aniversário foi na Bodega do Sertão, um dos restaurantes mais recomendados em Maceió para quem quer apreciar comida típica nordestina. Fica em Jatiúca. E uma dica: procure não chegar muito tarde para o almoço para poder encontrar mais variedades de comida e pegá-la mais quentinha. A comida aqui é servida por quilo, mas não sei se funciona assim todos os dias e o dia inteiro. Para informações, mande um e-mail para o restaurante através de seu site, aqui


O ambiente rústico do restaurante Bodega do Sertão é uma graça. Diversos artistas já marcaram presença aqui.


Se você gosta de comida nordestina, tipo sarapatel e baião de dois, vá conferir a Bodega do Sertão. Como não sou muito chegada a comida nordestina, não posso dar uma opinião sobre as iguarias que fazem mais sucesso aqui, mas, sem dúvida, foi o restaurante mais bem transado que conheci em Maceió.


A Bodega do Sertão tem esta lojinha de artesanato que também vende cachaças e doces. 


Dá só uma olhada na fachada do restaurante Bodega do Sertão. Muito maneira, né? O bule gigante dá as boas vindas.



Alagoana Bar e Botequim:

E a noite do meu niver foi no Alagoana Bar e Botequim, em Jatiúca. Gostamos muito daqui. Os petiscos estavam bons e a música ao vivo bem agradável. É um bom bar para uma conversa informal com os amigos acompanhado de uma cerveja bem geladinha.


As piscinas naturais da Praia de Pajuçara:


Depois de um dia de muita chuva, não se deve tomar banho de mar nas praias (principalmente as urbanas) por causa da sujeira. O recomendável é que se espere 48 horas. Imagina, então, depois de um período de quatro dias consecutivos de muita chuva, como foi durante esta minha viagem a Maceió. Mas eu não podia ir embora de Maceió sem aproveitar o melhor da cidade: as piscinas naturais da Praia de Pajuçara. E agora só me restavam apenas algumas horas deste meu último dia na cidade antes de pegar meu voo de volta para casa. Então, às 7:30 da manhã em ponto, estávamos nós, conforme havíamos combinado com o jangadeiro, no ponto de embarque do nosso passeio. Era o horário da maré baixa. Assim que chegamos, o jangadeiro e seus ajudantes prontamente se empenharam para colocar nossa jangada no mar.



Muitas jangadas estavam repousando nas areias da Praia de Pajuçara. Não havia muitos visitantes para o passeio às piscinas naturais porque o dia estava muito nublado e o mar impróprio para o banho.


Em cerca de 15 minutos, chegamos às piscinas naturais da Praia de Pajuçara, que se formam entre arrecifes e bancos de areia. No início da travessia, me deu um pouquinho de medo, pois a jangada parecia frágil para aquele marzão ao nosso redor e com a orla ficando cada vez mais distante. Mas foi tudo tranquilo e o jangadeiro não deixa atravessar sem usar coletes salva-vidas. 


A costa de Maceió vista a partir das piscinas naturais de Pajuçara, que ficam a 2 km de distância. 



Então, neste ponto do mar, em horário de maré baixa, você já pode sair da embarcação porque você vai sair andando com a água no máximo na sua cintura. Por causa da pouca profundidade, podemos ver os peixinhos nadando. 



Maceió é uma cidade famosa por possuir um mar incrivelmente verde, mas, infelizmente, por causa das chuvas recentes, não tivemos a sorte de ter essa visão. Também não tivemos a sorte de pegar uma maré ainda mais baixa quando se dá para ver bem o fundo do mar e muito mais peixinhos.


Não se esqueça de levar comidinha para os peixinhos. Eles adoram pão! É só jogar uns pedacinhos de pão no mar (o jangadeiro é que nos forneceu) e você vai se ver cercado por um monte de peixinhos. As crianças adoram! Acredita que eu vi uma mulher com medo dos peixinhos? 



O aquário natural da Praia de Pajuçara.



Na alta estação, quando há mais visitações às piscinas naturais, são servidos petiscos e bebidas em algumas embarcações. Mas tudo é feito com muito cuidado para não sujar o mar, pois a preocupação que eles têm com o meio ambiente é grande, segundo nosso jangadeiro. Ainda bem! E foi assim, então, com o passeio às piscinas naturais da Praia de Pajuçara, que terminou nosso último dia na capital alagoana.



Hotel Maceió Atlantic Suítes:


Como falei acima, o Maceió Atlantic Suítes fica na Praia de Jatiúca, uma ótima localização para se hospedar em Maceió, pois é uma área mais tranquila. Mas quem gosta de estar mais no meio do "tumulto" vai preferir a Praia de Pajuçara. O Maceió Atlantic Suítes correspondeu às nossas expectativas e, com certeza, nos hospedaríamos lá novamente. O hotel é grande, tem quadra de tênis e até abriga um minishopping (são só algumas lojas) que conta, inclusive, com um pequeno salão de beleza.



A única coisa que não gostei muito do Maceió Atlantic Suítes é que você tem que pagar o valor integral da sua estada logo no check-in, mas tenho percebido que isto tem sido uma prática cada vez mais comum. Mas continuo achando isso muito indelicado.


Maceió Atlantic Suítes.



Maceió Atlantic Suítes.



Maceió Atlantic Suítes.



Maceió Atlantic Suítes.



Maceió Atlantic Suítes.


Maceió Atlantic Suítes.



A cabana ao fundo é o spa do hotel.


A piscina do Maceió Atlantic Suítes.



Ao fundo, o prédio do Maceió Atlantic Suítes.


Maceió Atlantic Suítes.



Maceió Atlantic Suítes.



Nosso quarto no Maceió Atlantic Suítes.



Nosso quarto triplo no Maceió Atlantic Suítes, que tinha duas varandas, uma sala, uma mini-cozinha, um closet e um banheiro.



À direita, a mini-cozinha do quarto.



O closet do quarto.



Nosso quarto no Maceió Atlantic Suítes.



Café da manhã no Maceió Atlantic Suítes. Estava vazio porque chegamos quase na hora de encerrarem. O café da manhã é bem bonzinho e as tapiocas são feitas na hora e a seu gosto.

Data desta viagem: Outubro de 2013.


SUGESTÕES DE RESTAURANTES EM MACEIÓ:

Só conferi alguns desta lista (e mostrei nas fotos acima), mas todos foram indicados pelos locais. 

- Maikai - Perfeito para um chope bem gelado e petiscos. Oferece shows de quarta a domingo. Foi premiado como "O Melhor da Paquera" pela Veja Maceió.

- Divina Gula - Especializado em comida mineira, o restaurante também já foi premiado pela revista Veja, na categoria "O Melhor Restaurante de Cozinha Brasileira de Alagoas".

- Lopana - A barraca de praia também já foi premiada pela Veja Maceió. Funciona de terça a sábado, de 10h às 02h e sábado e domingo, de 09h às 02h.

- Imperador dos Camarões - Uma das melhores opções de restaurantes em Pajuçara que servem peixes e frutos do mar. Oferece serviço de traslado gratuito hotel-restaurante-hotel.

- Wanchako -  Esta sugestão é para quem se amarra em comida mexicana. O Wanchako é considerado o melhor restaurante peruano do país. Fica em Jatiúca.

- Picuí - Situado em Jaraguá, o Picuí serve comida regional e oferece traslado gratuito. Foi eleito pela Veja 2012/2013 como o restaurante que serve a melhor carne de sol de Alagoas. 

- Anamá - O restaurante fica em Ponta Verde e serve um cardápio variado. No almoço, o Anamá tem self-service e o jantar é à la carte. "Restaurante Revelação" pela revista Veja. (OBS: Alguns restaurantes fecham para o almoço por volta das 16:00. Deixamos de experimentar o Anamá porque quando chegamos lá demos de cara com a porta...)

- Spettus Steak House - Localizado na Praia de Ponta Verde, você logo perceberá sua presença, pois sua construção é de um castelo. Servem rodízio de carnes e frutos do mar.



OUTRAS SUGESTÕES DE PASSEIOS EM MACEIÓ:

- Os maceionenses indicam ir ao Pontal da Barra para ver as lojinhas que vendem tecidos bordados, com as rendeiras mostrando seu trabalho. É o melhor local para ver as rendas de filé. No Pontal da Barra, que é um bairro que fica às margens da Lagoa de Mundaú, você também pode fazer o tour das nove ilhas. Só não fomos ao Pontal da Barra porque as chuvas não deixaram.

- Os bairros históricos de Jaraguá e o Centro.


MARAGOGI:

Muitos que vão a Maceió esticam a viagem até Maragogi. Suas inúmeras piscinas naturais (galés) são a grande atração de lá e de todo o estado, pois em Maragogi elas são as maiores. A cidade de Maragogi fica na divisa com Pernambuco, a 140 km ao norte de Maceió. Mas a recomendação dos guias de viagem é a de que o melhor não é passar apenas um dia em Maragogi, pois pouco de lá será aproveitado. Além do mais, é preciso estar atento à tábua da maré para ir às piscinas naturais. Então, bate-volta Maceió-Maragogi não rola, quer dizer, não vale a pena. O ideal é se hospedar em Maragogi por, pelo menos, dois dias. Os passeios de bugue em Maragogi são também muito procurados.


AGÊNCIA DE TURISMO EM MACEIÓ:

Não usei nenhum serviço do Jaraguá Turismo, mas vou citar esta agência de turismo aqui porque estava num prospecto que peguei na recepção do hotel e porque o site deles mostra os diversos tours que podem ser feitos em ou a partir de Maceió. Para saber sobre os preços, basta enviar um e-mail para a empresa. 


TÁXIS NO AEROPORTO EM MACEIÓ: 

Quando chegamos em Maceió, pegamos um táxi credenciado no aeroporto e gostamos do serviço. Você paga a taxa, em dinheiro ou cartão de crédito, antes de pegar o táxi. O táxi estará à sua espera em frente a um dos portões do aeroporto cujo número a atendente lhe informará na hora. Vimos os stands de duas empresas de táxi no aeroporto, mas aquela que contactamos foi a Astriltaxi. Do aeroporto ao nosso hotel em Jatiúca pagamos a taxa de R$60,00, valor de outubro de 2013. Para ficar por dentro de valores atualizados para diferentes destinos, mande um e-mail para a empresa: astriltaxi.com.br


8 comentários:

Anônimo disse...

Conheci seu blog por acaso pesquisando sobre viagens na net.
Achei seu blog muito maneiro e eu e minha noiva estamos aproveitando tuas postagens das viagens a Europa para escolhermos o destino da nossa lua de mel.E como carioca preciso dizer que tuas postagens sobre o Rio estão ótimas.
Parabéns e continue postando pois agora seremos leitores assíduos.

Neilor

Regina Mendes disse...

Neilor, muito obrigada pelo seu carinhoso comentário. Sempre que tiver alguma dúvida sobre as viagens que fiz, sinta-se à vontade para me perguntar. E seja sempre bem-vindo ao blog. Procuro fazer, pelo menos,uma postagem por mês. A próxima será sobre Natal. Ah, se me permite uma sugestão, acho Veneza um destino perfeito para lua de mel, apesar das aglomerações de turistas. Um beijo para você e sua noiva!

Débora disse...

Olá Regina, também acompanho o seu blog e gosto muito. Estou com reservas marcadas para o início de abril deste ano (próxima semana) para Maceió, e tenho as mesmas expectativas que você teve em relação ao mar azul, mas acho que pode chover neste período. Apesar da chuva você gostou da viagem? O mar fica de que cor na chuva?
Obrigada!!
Bojos.

Regina Mendes disse...

Oi, Débora. O problema é que eu peguei muuuita chuva, de alagar as ruas e de durar o dia inteiro, praticamente. Se você pegar só um pouco de chuva, você ainda vai aproveitar mais do que eu. Se só estiver nublado, você já estará no lucro. Sim, apesar das chuvas, eu gostei da viagem, mesmo sabendo que eu poderia ter aproveitado bem mais. Como eu tinha poucos dias na cidade, qualquer trégua de chuva, eu corria para a rua para fazer algum passeio. Só assim consegui realizar os passeios que você viu nas fotos. Acho que você não vai pegar as chuvas que eu peguei. O mar, nas chuvas, fica um verde opaco e a gente vê as sujeiras na areia da praia. Pensamento positivo! Não vai chover na sua viagem! Não leve muita fé no Climatempo (quando estive em Natal, ele errou mais do que acertou). Aproveite! Beijinho.

Débora Ramiro disse...

Olá Regina, fiz a viagem para Maceió no final de abril e adorei. Esses dias fui para Buenos Aires e olhei suas dicas também. Tento compartilhar minhas roteiros no explorandoviagens.blogspot.com.br mas acabo só iniciando o post e sempre fica para depois completar as dicas. Acho o seu blog super completo e admiro o tempo que dedica para deixá-lo tão rico em informações. Continue assim, meus parabéns!

beijos,

Débora.

Regina Mendes disse...

Oi, Débora. Obrigada pelo comentário. Eu também levo o maior tempo para escrever, minhas postagens saem sempre com atraso. Mas depois que eu vejo uma postagem pronta, fico feliz. Vi seu blog também. Gostei muito. Você também adora viajar, né? Somos colecionadoras de viagens rsrs Beijo.

laiza Bonfim disse...

Muito top as dicas obrigada agora vou curtir um pouco mais Maceio!!! 😘😘

Regina Mendes disse...

Aproveite bastante, Laiza! :-)