RESTAURANTES NO RIO DE JANEIRO COM LINDAS VISTAS - PARTE 2

Veja a primeira parte deste tema na seguinte postagem:

- Dez restaurantes no Rio de Janeiro com vistas de cartão-postal


Não posso negar que tenho paixão por vistas de cartão-postal. Sendo assim, juntando a fome com a vontade de comer, aqui vai mais uma listinha de restaurantes no Rio de Janeiro que oferecem mais do que a comida, mas também uma vista de uma beleza que põe mesa! Quem disse que não???

Não pretendo esgotar esta listinha por aqui, até porque, motivada pela realização das Olimpíadas no Rio de Janeiro, a cidade tem se reinventado e conseguido despertar cenários ao pô-los no lugar certo: à luz dos olhos dos visitantes. Prova disso são a Nova Marina da Glória e o revitalizado Aeroporto Santos Dumont. Que bom que aqueles que vivem na Cidade Maravilhosa não precisam de voo para aterrissar nessas paisagens. Como me incluo nesse pacote, que, para mim, é um presente, estarei sempre que possível acrescentando mais lugares nesta lista, atualizando esta página e minhas descobertas. 

OBS: Convém sempre entrar em contato com o estabelecimento na época da visita para informações atualizadas, pois os preços mudam, horários e cardápio podem sofrer alterações e alguns lugares podem mudar de endereço e até fechar suas portas (espero que não).  

Sente-se à mesa comigo e vamos agora nos servir das paisagens! Bom apetite!



1) CAIS BAR:


Quando fui fazer meu passeio de chalana pela Lagoa da Tijuca, também chamada de Lagoa da Barra da Tijuca (aprendi depois que ali não é a Lagoa de Marapendi), eu fiquei atraída por aqueles barzinhos à beira da lagoa. Achei-os muito charmosos, por isso não via a hora de voltar ali para experimentar pelo menos dois deles. O primeiro que conferi foi o mais famoso, o Bar do Cícero (o nº 4 nesta postagem), por isso é o mais movimentado. O Laguna também é muito famoso, mas ele é mais chique, caro e precisa de reserva. Para mim, o Laguna seria mais para comemorar uma data especial. Então, o Bar do Cícero pareceu-me a escolha perfeita para a minha primeira vez no local. O segundo restaurante que experimentei foi o Cais Bar, que também é um queridinho dali. Resumindo, gostei de ambos. Mais detalhes nas legendas.


Varanda do Cais Bar, que fica à beira da Lagoa da Tijuca. Fomos num sábado de tempo nublado, portanto estava uma temperatura gostosa, o ar estava bem fresquinho. Ficar na varanda num dia quente de sol é que não deve ser uma boa. O Cais Bar também é uma pousada. Possui atendimento simpático. No cardápio, há pastéis de camarão, de siri, de carne, etc., pratos com peixes, com bife, entre outros. Legal que eles agora têm seu cardápio disponibilizado online. Os preços são bem razoáveis e os pratos dão para duas pessoas. Os pratos com peixe e frutos do mar dos bares da região costumam ser as melhores pedidas.


Foi bem prazeroso almoçar neste dia no Cais Bar, pois a vista nos traz um ar de tranquilidade. Você se sente num lugar isolado e sem estresse, além de ser diferente. Algumas pessoas consideram o local como "um pequeno paraíso".



Esta é a vista que se tem em frente à varanda do Cais Bar. À direita, o barco que deixa os passageiros à porta do bar. Só se chega nesses bares de barco.



Na varanda do Cais Bar. 



Esta é a parte interna do Cais Bar. À direita, a área coberta (mas sem vista). Chegando aqui é que descobri que o estabelecimento também é uma pousada.


Veja que o Cais Bar é um local simples, mas o clima aqui é para ser mesmo descontraído. 



Varanda do Cais Bar. Veja à direita que o barco deixa mesmo na porta do bar.



O Cais Bar fica em frente ao Bar do Cícero.


Close para o Bar do Cícero, visto a partir do Cais Bar.



No Cais Bar, comemos uma anchova frita que estava mesmo uma delícia. Acompanha pirão, batata frita, arroz branco e uma saladinha. Também pedimos porções de pastéis de camarão e carne, que também estavam muito bons. 



Também pedimos linguado com molho de camarão. O linguado não aparece nesta foto, ficou por baixo do molho. Também acompanha arroz branco, fritas, saladinha e pirão. Achei o linguado bom, porém um pouco salgado. Não gostei do molho, achei que tinha muito corante, mas eu não gosto muito de molhos mesmo. Enfim, gostei muito mais da anchova. Para saber sobre preços, modo de chegar (fica na Barra da Tijuca), menu e horário de funcionamento, você pode ligar para o estabelecimento que tem uma página no Facebook. Eles trabalham com horas diferenciadas durante a semana. Aos sábados, eles fecham às 18:00, mas reabrem mais tarde (pelo menos, era assim na época desta visita).


2) SKYLAB:

Não podemos negar que os terraços de muitos hotéis no Rio são verdadeiros mirantes para a Cidade Maravilhosa e neles geralmente estão seus restaurantes ou bares. Nem todos os hotéis abrem as portas de seus restaurantes para o público em geral (ou seja, para "não-hóspedes"), mas felizmente outros propiciam esse prazer para quem quiser desfrutá-lo. É o caso do restaurante Skylab, do Rio Othon Palace Hotel. Não costumo ir a restaurantes de hotéis "simplesmente" por ir, geralmente reservo a ocasião para uma data especial. É que vou mais pela vista do que pela comida e confesso que as comidas servidas nos hotéis (claro que há exceções) não são minhas preferidas.  

Se você deseja ir ao Skylab, sugiro fazer uma reserva online ou por telefone e peça uma mesa ao lado da janela com a melhor vista para a praia. Se for de carro, pode deixá-lo na garagem do hotel sob os cuidados do manobrista, que levará seu carro num elevador para um andar superior. Você precisa dizer que vai ao restaurante, mas mesmo assim você recebe um tíquete para pagar o estacionamento na saída. Ou seja, a consumação no restaurante não isenta o pagamento do estacionamento. 

No restaurante Skylab, você terá a vista da Praia de Copacabana. Afinal, o hotel está situado na Avenida Atlântica, 3264. Eles servem almoço e janta e feijoada todos os sábados, das 12:30 às 16:00, mas confirme esta e outras informações no site do restaurante na época de sua visita porque mudanças podem ocorrer. Com certeza, o Skylab seria uma das boas opções para eu escolher se eu quisesse levar um amigo/parente estrangeiro, pois assim ele provaria nossa tradicional e saborosa feijoada com a vista da praia mais famosa do Rio.

Os preços dos pratos do Skylab são razoáveis, considerando que em lugares como esse você paga não somente pela comida. Há restaurantes em outros hotéis que cobram bem mais caro. O bom é que você pode ter acesso ao menu do restaurante online e saber de antemão os preços dos pratos. O e-mail de contato do Skylab é: contato@restauranteskylab.com.br 


No dia de nossa visita, eu pedi para sentar na área da piscina, pois dali teríamos a vista bem de frente para a Praia de Copacabana. E como era um dia de semana, a área estava tranquila, com poucos hóspedes. Mas confesso que depois me arrependi, pois, mesmo com poucas pessoas, dividir aquele nosso espaço com alguns hóspedes na mesa ao lado discutindo negócios e outros chegando e saindo com trajes de banho, entrando na piscina e coisas afins estavam destoando de nosso momento. Mas não se pode negar que ali era onde tínhamos mesmo a Praia de Copacabana aos nossos pés, como vemos nesta foto. Porém, tirei esta foto por cima da janela, que fica com um espaço aberto. As janelas aqui estavam meio sujas. 


A Praia de Copacabana aos seus pés na área da piscina do terraço do Rio Othon Palace Hotel, que fica no 30º andar.



Para a área da piscina (esta daqui) do Rio Othon Palace Hotel, você não precisa fazer reserva e, como o espaço é aberto, não há ar condicionado. A vantagem é que você fica bem "colado" à vista da praia.



Veja que as mesas da área aberta do restaurante Skylab ficam distribuídas ao lado da piscina, então os hóspedes estarão circulando por aqui com trajes de banho. Por isso, aqui é mais legal e condizente ficar para comer petiscos ou beber uns drinks, ou seja, algo bem informal. Para um almoço mais especial, não pestaneje e fique na parte coberta, porém no melhor ângulo para a vista da praia (explico melhor mais adiante).


A pequena área aberta para refeições e drinks do restaurante Skylab, do Rio Othon Palace Hotel.



Em uma das mesas no terraço da piscina do Rio Othon Hotel você tem esta vista, com o Forte de Copacabana ao fundo.



Um close para o Forte de Copacabana.


No terraço do Rio Othon Palace Hotel, na área aberta, que também é servida pelo restaurante Skylab.



Pedimos um filé de carne (parecia uma carne cozida) com batata gratinada. Se eu não me engano, foi um dos pratos executivos. A comida estava boa.



Pedimos também um filé de peixe com espinafre e feijão branco. Este prato também estava bom, mas veja que a porção é pequena. Os pratos aqui são individuais.



De sobremesa, uma torta de framboesa.



E petit gâteau com sorvete de creme e de pistache. Não era a opção de sobremesa do prato executivo, mas o garçom abriu uma exceção.


Esta é a parte interna (coberta) e com ar condicionado do restaurante Skylab. 


Depois que terminamos nosso almoço, eu sentei numa mesa na parte coberta do restaurante Skylab para ver como seria a vista e foi quando me arrependi de não ter ficado por aqui. Aqui as janelas já são limpinhas (rsrsrs) e a vista é muito bonita também. O problema é que assim que entramos neste salão, eu não me dei conta da vista que teríamos sentados nesta mesa aqui ou em mais algumas à frente (perto da entrada da área da piscina). Eu vi primeiro e mais amplamente a vista de muitos prédios, e que de bonita não tinha nada. 


Então, para um almoço mais formal ou especial, fique no salão do Skylab, mas deste lado aqui (e do lado das janelas), onde não vemos somente prédios, mas também um trecho da Praia de Copacabana, com o Forte ao fundo. No salão, o ambiente é mais bonito e confortável.



Se você se sentar mais para trás, sua vista será mais dos prédios, como você pode conferir nesta foto.



Então, definitivamente, é neste cantinho do Skylab onde você deve ficar para um momento mais íntimo e acompanhado desta vista!


3) FORTE DE COPACABANA:

O Forte de Copacabana é um daqueles lugares que nenhum carioca ou turista deve deixar de ir simplesmente porque a vista é linda e, é claro, há o valor histórico. E se você não deseja sentar para comer ou beber, pode entrar para apreciar a vista (há alguns bancos para se sentar perto da mureta) ou fazer uma visita às instalações da fortificação e ao Museu Histórico do Exército. Nesta postagem AQUI, eu conto um pouco sobre a visita à fortificação. Consulte o site para saber sobre o horário de visitação e obter outras informações. É preciso comprar ingresso na bilheteria do Forte para entrar, mas é uma pequena quantia.   

Dentro do Forte de Copacabana, há atualmente dois cafés - Confeitaria Colombo e Café 18 do Forte. Ambos ficam lotados no verão e conseguir uma mesa colada à mureta pode ser uma missão impossível. A Confeitaria Colombo é mais cara, mas tem mais nome e seus quitutes são bem elogiados. Mas se você já conhece a loja tradicional da Colombo no centro da cidade, na Rua Gonçalves Dias, pode experimentar o Café 18 do Forte, pois é mais fácil achar mesa lá e a vista que se tem é a mesma da Colombo. Aliás, já que estou falando da Confeitaria Colombo e se você é um turista no Rio, não se esqueça de que a loja do centro da cidade é uma visita obrigatória, pois ela é uma das confeitarias mais tradicionais do Rio e seu interior é lindo e requintado. Sugiro um chá da tarde na Colombo do centro da cidade com direito ao som de piano ao vivo. Se quiser saber mais sobre esse chá da tarde, dá uma olhada na postagem que escrevi AQUI.  

Não chegue tarde aos cafés do Forte de Copacabana. Vá para um café da manhã, almoço ou chá da tarde. Eles fecham as portas rigorosamente na hora do encerramento porque é uma norma da área militar ali. Se você chegar perto da hora de fechar, o serviço vai ser ruim. Na minha opinião, você deve chegar no máximo às 17:00, pois lembre-se de que a cozinha fecha com um tempo de antecedência. E até você conseguir uma mesa, dependendo da época de sua visita (verão, dia ensolarado, final de semana, feriado), pode levar um tempo também.

Neste dia experimentamos o chá da tarde do Café 18 do Forte. Confesso que o serviço foi muito demorado, mas o local estava cheio. Nem conseguimos uma mesa do lado da orla. A comida estava razoável. Os garçons foram atenciosos, mas eles não conseguiram dar conta de tudo. Então, se o local estiver cheio, já fique sabendo que é preciso ter paciência. Aproveite o tempo ali para esquecer justamente do tempo, afinal a vista de lá vai lhe ajudar nesse sentido.  


Que tal uma vista assim enquanto você faz a sua refeição? Esta é uma das vistas mais bonitas do Rio de Janeiro. Detalhe: esta foto foi tirada quando quase todo mundo já tinha ido embora, quando o Café 18 do Forte já tinha fechado e ninguém mais podia sentar para consumir. Só assim eu consegui vaga aqui rsrs Depois que pagamos a conta, eu sentei aqui só para tirar esta foto e mostrar como é agradável sentar-se ao lado da mureta. A mesa onde sentamos também ficava de frente para esta vista, porém um pouco mais afastada (mostro mais abaixo).


Essas mesas com toldos vermelhos são do Café 18 do Forte, onde tomamos nosso chá da tarde. As mesas de frente para a mureta, com vista direta para o mar, estavam todas lotadas.



Para não termos de esperar muito, ficamos nestas mesas mais afastadas da mureta, porém de frente para o mar também. O Café 18 do Forte é pequeno (na verdade, nem entrei lá porque só vi uma portinha com um pequeno balcão). Os garçons servem do lado de fora, mas eles demoraram muito para trazer o nosso pedido. O menu não é muito variado, mas eles têm alguns doces e salgados, e bebidas tais como sucos, refrigerantes, e caipirinhas. Vi os garçons levando hambúrgueres para algumas mesas. Não sei se eram bons, mas eram bem vistosos e gorduchos.


Então, mesmo que você sente do lá de cá, você terá uma linda vista do lado de lá. É só não sentar de costas como eu aqui rsrs 


Vista de frente para o Café 18 do Forte. Estava menos lotado do que a Confeitaria Colombo. Na Colombo, você consegue sentar dentro do salão, mas a maioria prefere esperar por um lugar na parte de fora.


Mesas do outro lado da calçada do Café 18 do ForteA bebida chegou mais rápido, mas a comida demorou, mesmo um chá da tarde. 


Café 18 do Forte - Forte de Copacabana, Rio de Janeiro. 



Pedimos "Churros do Forte", que são "empanados em açúcar e canela, creme de brigadeiro na caneca e sorvete de tapioca". Os churros estavam gostosinhos, mas muito duros. O sorvete estava bom, mas é só uma bola bem pequena.  


Pedimos também o "Chá da Tarde", que consistia em "Torradas Petrópolis na manteiga Aviação, biscoitos amanteigados, bolo do dia e uma bebida quente a sua escolha (café expresso, ou café carioca, ou café com leite ou chocolate quente ou chá). Mas eles erraram e nos levaram o "Café da Fazenda", que era um pouco mais caro. Só depois é que me dei conta do erro, pois o cardápio já não estava mais na nossa mesa. Mas não fizeram de maldade, eles estavam atrapalhados mesmo. O "Café da Fazenda" consistia em "pão francês, pão de queijo, broa de milho, queijo minas curado (veio o queijo prato), manteiga Aviação, requeijão (só um potinho de plástico, cream cheese), ovos mexidos, creme de goiabada, bolo de milho (só um pequeno pedaço), canjica, e uma bebida quente à sua escolha". Estava gostosinho. Esses "Chás" servem somente uma pessoa. 


Depois de comermos, com algumas mesas ao lado da mureta vazias, pulei para cá só para tirar algumas fotos e matar a vontade.


Vista que se tem a partir do Café 18 do Forte. Resumindo, nossa vinda aqui valeu mais pela vista do que pela experiência gastronômica. Aliás, para mim, a vista deve ser mesmo o objetivo principal de uma visita ao Forte de Copacabana.


4) BAR DO CÍCERO:

Como expliquei acima, o Bar do Cícero foi o primeiro que experimentei na Lagoa da Tijuca, pois foi o mais movimentado que vi no dia do meu tour na Lagoa. Logo achei que ali seria uma boa escolha, pois, se não fosse bom, estaria vazio. Gostei dele. Muito simpático o ambiente. Sentamos num cantinho ornamentado com plantas e fiquei imaginando que ali seria um lugar muito romântico para se comemorar o Dia dos Namorados, por exemplo. No site do bar, você tem acesso ao cardápio online, mas não há os preços. Porém, são razoáveis. De segunda a sexta-feira, há pratos executivos e esses costumam ser mais em conta. Para chegar ao local, que fica na Ilha Primeira (no bairro da Barra da Tijuca), você precisa pegar uma balsa que vai lhe deixar bem na porta.

Chegando ao Bar do Cícero. É preciso pagar pelo transporte da chalana até o bar e depois a volta.


Interior do Bar do Cícero. Ainda tem uma parte coberta, mas não tão bonitinha, lá para dentro.


O bar estava cheio, mas havia esta mesa neste cantinho, que, ainda bem, era o mais bonitinho de lá, na minha opinião. E olha a vista de cartão-postal! Um sossego só. Nem parecia que estávamos na Barra da Tijuca. 



Pedimos de entrada uma porção de pastéis de camarão. Vieram meio queimadinhos, mas até que isso não interferiu no gosto. Estavam muito bons, mas o recheio era muito cremoso, então pode ser que não agradem a todos.





Pedimos os pratos executivos (fomos numa quinta-feira). Aqui, frango grelhado com arroz branco, feijão e batatas fritas. O frango estava muito bom, macio e bem temperado. Pena que as batatas estavam com aquele gostinho de gordura saturada...


O filé de peixé a dorê (que só no prato vi que se tratava de linguado) também estava muito bom.


O espaguete com alho estava um pouco duro. Se eu tivesse que dar uma nota para tudo que consumimos, daria 7. Na próxima, vou apostar nas moquecas! 


A Lagoa da Tijuca é formada por pequenas ilhas, como a Ilha da Gigoia e a Ilha Primeira. Esses barcos que vemos nas fotos levam os visitantes aos bares.


Vista a partir do Bar do Cícero, com o Cais Bar de frente.


O Bar do Cícero está geralmente cheio, principalmente nos finais de semana e datas comemorativas. Acho aqui um excelente lugar para confraternizar, principalmente para os moradores da Barra da Tijuca.


Parte da vista que se tem a partir do Bar do Cícero.



Voltando para o shopping Barra Point (parada da Unimed), onde deixamos nosso carro estacionado.


5) QUIOSQUE ARAB: 

A Lagoa de Freitas dispensa comentários. É um dos principais cartões-postais do Rio de Janeiro. Que bom que lá há alguns restaurantes bem de frente para a Lagoa, então você fica sentado com uma vista linda tanto de dia quanto de noite. À noite é mais romântico, pois as luzes da Lagoa dão um toque especial e é quando se pode melhor contemplar a famosa Árvore de Natal, com seus incríveis efeitos de luz (na época do Natal, é claro). O único inconveniente é que, como esses bares têm a maior parte de seu espaço em área aberta, um tempo de chuva atrapalha a visita. 

Na primeira parte do tema desta postagem, eu falei sobre o restaurante Palaphita Kitch, que é bem famoso na Lagoa. Hoje venho falar de outro, o Restaurante Arab, que possui um quiosque na Lagoa, no Parque dos Patins, e é especializado em comida árabe. O restaurante mesmo (pois não é quiosque) fica em Copacabana. Na Lagoa costuma haver música ao vivo e em Copacabana dança do ventre (ligue antes para o estabelecimento para saber da programação). 


As mesas e cadeiras do Quiosque Arab ficam bem de frente para a Lagoa Rodrigo de Freitas. O tempo hoje estava chuvoso, mas apenas uma chuva bem fininha. Quando está assim, ainda é possível aproveitar o local, pois há essas barracas grandes sobre as mesas.



O Quiosque Arab da Lagoa tem uma área razoavelmente grande na varanda. A parte coberta é bem pequena, só tem uma mesa. O ambiente aqui é rústico.


A cozinha e a parte coberta do Quiosque Arab da Lagoa.


No Quiosque Arab, não deixe de experimentar suas deliciosas esfihas - abertas ou fechadas.


E, é claro, as kaftas também, entre outras delícias. Esta kafta é de carne de cordeiro, que veio acompanhada de pão árabe. Devo confessar que não caí de amores pela carne de cordeiro.



6) RESTAURANTE MAUÁ:

O restaurante Mauá tem vista para um dos mais novos cartões-postais do Rio de Janeiro, com o prédio futurista do Museu do Amanhã, na Zona Portuária (centro da cidade). O design do museu quando visto de longe e com toda amplitude é de fazer cair o queixo. O restaurante fica no terraço do Museu de Arte do Rio (MAR), na Praça Mauá, mas você não precisa visitar o museu e, consequentemente, pagar entrada, para ter acesso ao restaurante. E você também não precisa entrar no restaurante para ter a maravilhosa vista do Museu do Amanhã, pois o restaurante ocupa apenas uma parte do terraço do MAR. A outra parte do terraço é livre à visitação e a visão panorâmica será a mesma. Mas juntar o prazer da comida com o prazer da vista torna a experiência mais gostosa!

A propósito, tenho postagens no blog sobre o Museu de Arte do Rio (MAR) (AQUI) e sobre o Museu do Amanhã (AQUI).

O restaurante Mauá é relativamente pequeno, por isso pode-se formar uma fila em frente, dependendo do dia e do horário. Possui uma parte coberta com ar condicionado e uma varanda, que é um pouco estreita. É claro que minha sugestão é que você se sente na varanda para ter a visão do futuro à sua frente, inspirado pelo Museu do Amanhã.

Procurando agradar o paladar tanto de brasileiros quanto de estrangeiros, o restaurante Mauá serve comida nacional que levam ingredientes como carne de sol e queijo coalho. Os preços são um pouco salgados visto que correspondem a pratos individuais. Se você preferir ir mais para o final da tarde (mas não deixe para chegar perto do horário de fechamento, pois, por experiência própria, digo que eles só vão poder servir café), tome um chá da tarde com direito a chá mesmo ou café (há Nespresso Capuccino e Nespresso com creme, por exemplo) acompanhado de um doce. Adorei a opção no cardápio atual de mini bolinhos de chuva com doce de leite e amêndoas e de arroz doce ao molho de caramelo com crocante de castanha. As caipirinhas do restaurante fazem sucesso principalmente entre os estrangeiros, pois servem de diferentes tipos. Aliás, as opções de bebidas são diversas. Para ter acesso ao cardápio e preços (oba!), consulte o menu online do restaurante. 

Infelizmente, não vou poder deixar aqui nenhum comentário sobre a qualidade da comida do restaurante, pois nós chegamos quase às 17:00 e eles disseram que nem uma sobremesa podiam servir. Somente café. Aceitamos. Afinal, a minha fome no momento era pela vista, sentadinha ali naquela varanda. Entretanto, há muitos comentários sobre a comida do Mauá no Tripadvisor.

Fique atento ao horário de funcionamento do restaurante: de terça à quinta, das 12:00 às 17:00, e de sexta a sábado até as 20:00. Não funciona às segundas-feiras. Convém sempre consultar o site antes da visita para confirmação dos horários porque mudanças podem ocorrer.


Restaurante Mauá, com bela vista para a nova Praça Mauá. Ao fundo, a Ponte Rio-Niterói. Veja que um pedaço do terraço do museu (ao fundo) é aberto ao público em geral e a vista que se tem daqui de dentro da varanda do restaurante ou do lado de lá é a mesma.


Mas a vista só é bonita se você se sentar de frente para a Baía de Guanabara, pois do outro lado só há prédios e não há nada de bonito (veja na foto abaixo).


Repare que a varanda do restaurante Mauá não é grande e que a vista dos fundos é só prédios. Viemos aqui na véspera de um feriado e perto da hora de encerramento. Então, ele estava quase vazio e não puderam servir comida, só café.


E agora um close para a nova Praça Mauá vista a partir do restaurante Mauá, localizado no terraço do MAR. O Museu do Amanhã é lindo! Por dentro e por fora.


7) RESTAURANTE DO HOTEL ARPOADOR:

O Hotel Arpoador, que fica bem de frente para a Praia do Arpoador, tem um salão no térreo que funciona como restaurante para hóspedes e o público em geral. Fui uma única vez ali e nem sabia que se chamava Temporada. Pelo que tenho lido e a julgar pelo nome do local, tudo indica que o restaurante tem prazo para acabar. Pode até ser, como aconteceu com o restaurante Azul Marinho, que ocupava aquele local. Minha torcida é que não acabe, pois ficar naquelas mesinhas na calçada, ao ar livre, de cara para o gol, que, no caso, é a Praia do Arpoador, é um ponto ganho para o seu dia. 

No dia de minha visita, conversei com uma funcionária que me explicou que agora a área na calçada ocupada pelas mesas está menor do que antes, quando era o Azul Marinho, pois os moradores reclamavam do barulho. Aliás, não sei como os moradores dali suportam tanto barulho no calçadão da Praia do Arpoador em dias "críticos" (feriados ensolarados, carnaval etc.). Digo isso porque resolvi parar no Hotel Arpoador quando fui assistir ao pôr do sol (escrevi uma postagem sobre esse espetáculo da natureza AQUI) numa quarta-feira de cinzas. Conclusão: minha experiência no restaurante do hotel não foi muito boa. Motivo? A praia estava irritavelmente lotada. Eu imaginava que o local estaria mais tranquilo porque o Carnaval já tinha acabado. Engano meu. Muita gente, muitos cariocas e muitos turistas (tive a impressão que havia mais turistas do que locais). É claro que eu não consegui nenhuma mesa onde eu mais queria, que era na calçada, bem de frente para a praia. Não podiam prever o tempo de espera. Parecia que iria demorar muito, pois os grupos de amigos conversavam com seus drinks nas mãos dando a aparência de que o papo não tinha hora para acabar.  

O que me restou a não ser entrar no salão? Tudo bem, eu poderia voltar outro dia, mas como eu já estava ali mesmo e como eu não sabia quando iria voltar, entrei. Lá dentro estava tranquilo, porém com entrada e saída constante de hóspedes. Enfim, era o andar térreo de um hotel, era de se esperar. Eu e meu marido sentamos mais ou menos no meio do salão, mas depois vi que o estreito balcão do salão "colado" aos janelões, com seu estilo informal, era o melhor lugar do salão para a melhor vista. Mas nem mesmo assim dei sorte, porque era o tempo todo gente passando na rua, em frente. Por isso, minha dica é que você evite ao máximo os tais dias críticos. E mais uma sugestão: deixe para ir quando você estiver ali por perto, pelo Arpoador, ou para levar um amigo turista. Sinceramente, o restaurante não me agradou para ser um daqueles que você pense em ir antes de sair de casa "só para comer", principalmente se você mora longe. Outro motivo é que achei os preços altos, principalmente da cerveja. Para mim, esse restaurante funciona mais para hóspedes ou para quem está de passagem. Aí sim, parar ali e bebericar alguma coisa ou tomar um sorvete - nas mesas do lado de fora e num dia calmo - é algo que deve ser muito prazeroso.

Dando uma olhada no cardápio, achei poucas as opções para almoço, mas tinha bacalhau, camarões e carne de churrasco, por exemplo. Agora drinks, havia muitos. Devem vender muitos deles. Não me lembro das opções de petiscos, mas lembro que havia pastéis. Eu fui atrás de um doce e escolhi um creme brûlée de açaí com morango (no menu, a descrição dizia "morangos", mas só veio um mesmo) acompanhado de uma bola de sorvete de banana. Gostei do sorvete, mas não gostei do creme de açaí. A sobremesa é criativa, mas o açaí, para mim, é muito melhor gelado. 

Arpoador lotado num dia de quarta-feira de cinzas. Mesas do Hotel Arpoador disponíveis na calçada, nem em sonho. Também quem iria dispensar a vista da praia, a poucos passos dali?


As mesas da calçada ficam de frente para o andar térreo do Hotel Arpoador. Como opção, você pode se sentar no salão (este da foto).



E de dentro do salão, sentado no balcão que beira a janela, você continua tendo a vista da praia, mas nesse dia o que mais vi foi um aglomerado de pessoas.


Veja que o salão estava quase vazio enquanto que o lado de fora fervia. Veja também o tal balcão de frente para a janela. 


Fiquei imaginando que o balcão é mais interessante para o café da manhã do hóspede.


As disputadas mesas da calçada do Hotel Arpoador. Esta foto tirei dentro do salão, sentada ao balcão.


E o tal brûlée de açaí.
  

8) SOHO:

O restaurante Soho fica na Nova Marina da Glória, uma área que foi revitalizada e ganhou restaurantes com vista para a Baía de Guanabara. Ficou muito bonita. Não vou entrar em detalhes sobre a Nova Marina da Glória para não ficar repetitiva já que falei a respeito nesta postagem AQUI.

Na minha primeira visita à Nova Marina da Glória, eu cheguei por volta das 17:00 e, como eu já havia almoçado há pouco tempo, não dava para encarar mais um prato. Mas a tentação de entrar num daqueles restaurantes era grande e o que mais me chamou a atenção foi o Soho, restaurante principalmente de comida japonesa que já tem fama em Salvador, Brasília, Fortaleza e Miami Beach. É que a varanda do Soho é muito bonita: colorida, aconchegante e bem decorada. Fiquei um pouco sem jeito de entrar ali só para pedir um doce e um café, mas como a varanda estava vazia e já não era hora mesmo nem de almoço nem de janta, perguntei à recepcionista se haveria algum problema e ela muito simpática disse que não. Depois pensei comigo mesma que era claro que não haveria problema! 

O cardápio do Soho pode ser consultado online, mas uma funcionária me explicou que pode haver algumas diferenças entre uma unidade e outra. Então, aconselho ligar antes para o estabelecimento se você fizer questão de comer um prato específico que você encontrou no menu online. Não há preços online, mas o restaurante é um pouco caro.


Fachada do restaurante Soho, especializado em culinária oriental com tendência japonesa. O restaurante tem um salão e uma varanda grande e bonita. 


A espaçosa e simpática varanda do restaurante Soho, na Nova Marina da Glória.



A varanda do restaurante Soho tem mesinhas para comer um petisco ou tomar uma bebida, mas há mesas maiores para uma refeição completa, como vemos ao fundo.


E a linda vista da Marina da Glória bem de frente para o restaurante Soho. A vista não é privilégio único do Soho, todos os restaurantes daqui têm. Mas o Soho tem uma posição mais central.



Restaurante Soho - Nova Marina da Glória, Rio de Janeiro. Comer com esta vista é para saborear cada minuto seu.


Meu doce escolhido foi o cheesecake de tofu com sorvete. Sou muito mais o cheesecake tradicional, mas tudo bem. Afinal, a melhor sobremesa ali é mesmo a vista e, por que não dizer, o prato principal?

9) MARURU:

Fiquei me devendo uma segunda visita à Marina da Glória e, como eu gosto muito de pizza, o lugar ideal para devorar uma é a Maruru. O lugar não é uma pizzaria, mas sim uma deli que serve, além de pizza, café da manhã, sanduíches variados e algumas refeições. A deli vende também produtos de seu minimercado, como frios, pães e bebidas, opções que agradam muito a quem quer encher sua cestinha para fazer um piquenique no Parque do Flamengo

Na varanda da deli Maruru, na Nova Marina da Glória. Se você quiser sentar num ambiente mais informal na Marina da Glória, para tomar um café, por exemplo, o lugar certo é este aqui! Há mesas dentro do estabelecimento (no minimercado) e aqui, na varanda, com a vista da Marina.


  Na deli Maruru, eu e minha mãe pedimos uma pizza calabresa. Eles só vendem a pizza inteira, que é deste tamanho, com seis fatias grandes. Achamos essa pizza uma delícia! Tinha muito queijo! E o preço é muito bom. A pizza, que é feita em forno elétrico, serve muito bem duas pessoas. Mas ainda deixamos algumas fatias, e ela estava tão gostosa que me deu a maior pena de descartar o resto. Sabe o que eu fiz? Pedi para viagem e eles prontamente colocaram o restante numa embalagem de viagem própria para pizza e nem cobraram por isso. Pontos para a Maruru! 



10) N6:

Eis agora um restaurante novo no Rio de Janeiro que tem, para mim, uma das vistas mais lindas da cidade! É, sem dúvida, uma das vistas imbatíveis! Um cenário deslumbrante, com o Morro do Pão de Açúcar de um lado e o Cristo Redentor do outro. Esta vista inspiradora você tem a partir da varanda do restaurante N6, do Prodigy Hotel Santos Dumont Airport. Uma parte do salão interno do restaurante também oferece essa vista, mas não se pode negar que o encantamento é outro se você estiver ao ar livre, debruçado sobre a Baía de Guanabara, respirando diretamente o ar de uma paisagem que vai regozijar a sua alma!

O Prodigy Hotel está situado no revitalizado aeroporto Santos Dumont e o restaurante e bar N6 fica no terraço do hotel. O aeroporto até ganhou um shopping, o Bossa Nova Mall, que conta com uma pequena praça de alimentação e algumas lojas, destacando-se a Forever 21. Mas não se engane, o Bossa Nova Mall é muito pequeno, sendo útil principalmente para quem está embarcando ou desembarcando no aeroporto. Ou para quem vai ao restaurante N6. Sair de casa para ir a esse restaurante, mesmo sendo de um hotel, vale muito a pena especialmente por causa da vista do seu terraço. Aí, sim, depois do restaurante, vale dar uma voltinha no Bossa Nova Mall (mostro fotos do mini-shopping nesta postagem AQUI.)

Neste dia, escolhi o N6 para a comemoração de uma data especial, o Dia dos Namorados. Era um domingo de sol, mas de vento muito frio (atipicamente uma onda de frio caiu sobre o Rio), então precisaríamos de muita coragem (além de um cobertor rsrsrs) para ficarmos expostos naquele vento gelado que vinha da Baía de Guanabara. Foi uma pena. Caso contrário, era numa das mesas da varanda onde pediríamos para colocarem nossos pratos. Só não fiquei mais triste porque tirei uma casquinha da vista de lá antes do almoço e porque no corredor do salão interno (bem protegido do vento), a vista de lá também é quase tão boa quanto. Meu conselho é que você visite o N6 num dia sem vento frio para aproveitar a varanda. Venta bastante ali.    

Prodigy Hotel Santos Dumont Airport é aberto ao público em geral. Abre para almoço e janta e oferece happy hours toda quarta e quinta-feira com música ao vivo (na época de sua visita, consulte o site para ver se houve alguma mudança). Quer impressionar um amigo ou parente que vem a turismo ao Rio de Janeiro com uma bela vista na hora do almoço? No topo de minha lista de preferência estão o Emporium Pax do Botafogo Praia Shopping e o N6! Ah, para quem não sabe, o nome N6 faz referência a uma das primeiras aeronaves feitas no Brasil.

Um serviço interessante do hotel é o Day Use, o que quer dizer que você pode aproveitar a estrutura do hotel por 3, 6, 9 ou 12 horas pagando uma tarifa especial. Pode ser muito útil para quem está de escala no Rio de Janeiro. 

E uma observação: Em breve será inaugurado ao lado do N6 um outro restaurante com a mesma vista magnífica e uma varanda linda. Será o Xian, um restaurante asiático.


A varanda do restaurante N6 do Prodigy Hotel Santos Dumont Airport fica no terraço, ao lado da piscina. Pode ser que no dia de sua visita, você encontre a piscina com hóspedes, mas se quiser mais privacidade, fique dentro do salão, pois a vista de lá é a mesma (só mais afastada e com uma parede de vidro na frente), como mostrarei mais abaixo. 


Piscina do Prodigy Hotel Santos Dumont Airport, que fica ao lado da área ocupada pelas mesas e cadeiras do restaurante N6. Hoje não havia ninguém na piscina, pois fazia muito frio. Se eu fosse turista no Rio, acho que eu me hospedaria neste hotel só por causa da vista rsrsrs


A interessante piscina do Prodigy Hotel Santos Dumont Airport



A varanda do Prodigy Hotel Santos Dumont é bem extensa. Na sua extremidade direita, fica a sua bela piscina. Na esquerda, fica o espaço do restaurante.


Deste lado, a varanda do restaurante do terraço do Prodigy Hotel Santos Dumont. Em frente à varanda, o salão interno com paredes de vidro. Vazio assim porque ninguém aguentava o vento frio.   


E olha essa vista do terraço do N6! De cara para a Baía de Guanabara, o Pão de Açúcar (à esquerda) e o Cristo Redentor (à direita). Ao fundo, a Nova Marina da Glória e o Outeiro da Glória.



E aqui está a parte coberta do N6, que é muito confortável. É um corredor extenso que termina com o bar (ao fundo). E em frente ao bar, mais mesas e cadeiras, porém ali a vista já não é a mesma de quem senta aqui. Do outro lado do restaurante (virando à direita no corredor), há mais áreas abertas, porém com vista para prédios. Nas paredes do salão, há telões com os horários dos voos do Santos Dumont para ninguém perder a hora com a vista daqui!


Então, o vento frio lá de fora nos afugentou para cá, a parte coberta do N6. Veja que aqui você também não perde vista da... vista!


No salão interno do N6, do Prodigy Hotel Santos Dumont. Nosso almoço foi "Nhoque de mandioquinha com ragu de linguiça toscana artesanal" e "Filé mignon com acompanhamentos" (no nosso caso, arroz, feijão, farofa e batatinhas calabresas assadas). Outras opções no cardápio são Linguini, Risotto de Frutos do Mar, Moqueca de peixe e frutos do mar, Filé de salmão, Flié de peito de frango (entre outros), fora os "hambúrgueres gourmet" e sanduíches (por exemplo, de mignon com cheddar). Os valores são um pouco caros porque os pratos são individuais, mas em se tratando de hotel eu até os achei razoáveis. Os preços dos pratos vão variar mais ou menos de R$42,00 (Linguini) a R$100,00. O hambúrguer mais barato custa R$34,00. Mas atenção: estes são valores de junho de 2016. 


O delicado prato de filé mignon com arroz e farofa do restaurante N6. As batatinhas e o feijão vieram numa pequena travessa. Porções bem enxutas. Este prato custou R$65,00. Comida gostosa, mas pode ser pouca para o tamanho de sua fome.


E aqui está o extenso balcão do Bar N6 (de frente para a piscina), onde as caipirinhas são muito populares. Gostou daqui? Então anota aí: o Prodigy Hotel Santos Dumont fica ao lado do Bossa Nova Mall.

11) LOBBY BAR - SHERATON GRAND RIO HOTEL:

Uma das vistas mais bonitas do Rio de Janeiro é a que se tem a partir da Avenida Niemeyer. Justamente por estar localizado nessa avenida, no bairro do Leblon, o Sheraton Grand Rio Hotel & Resort tem restaurantes com vistas panorâmicas de dar água na boca, como é o caso do Lobby Bar. Lá eles só servem sanduíches e bebidas, por isso acho que ele é perfeito para um finalzinho de tarde, quando há ainda a luz do dia para se apreciar a vista. Dependendo da época, você pode ter grandes chances de pegar o espaço bem tranquilo; tudo depende da ocupação do hotel. Por isso,  nos finais de semana, o Lobby Bar não necessariamente fica mais cheio do que nos outros dias. Quando há mais hóspedes, é claro que o restaurante fica mais cheio. Só evite feriados prolongados, Carnaval, e todas aquelas outras datas de alta para os hotéis. Se o restaurante estiver lotado, acredito que darão preferência de entrada aos hóspedes. 

Para quem preferir um brunch ou jantar, o hotel também oferece o italiano Bene, uma opção mais cara. Quanto à vista, prefiro a do Lobby Bar, que, apesar de ficar no andar térreo do hotel, fica num plano mais elevado, permitindo uma vista mais do alto, ou seja, mais panorâmica. A vista do Bene é a mesma; porém, ele fica num andar inferior, no mesmo nível da praia. Ou seja, a vista não causa o mesmo impacto. E para uma "experiência francesa", desfrute do L'Etoile, também com lindas vistas. Por enquanto, só experimentei mesmo o Lobby Bar e gostei muito para um momento mais informal e relaxado, porém num ambiente muito sofisticado. Confira os horários e serviços nos sites dos restaurantes antes de se programar.   

No hotel, há estacionamento coberto e cobra-se uma taxa para deixar seu carro, mesmo havendo consumação nos restaurantes.

O salão do Lobby Bar do  Sheraton Grand Rio Hotel tem poltronas estrategicamente posicionadas para o cliente degustar as lindas vistas.


Sente-se confortavelmente e aprecie a vista.


Vista para as praias do Leblon e de Ipanema a partir do  Lobby Bar do  Sheraton Grand Rio Hotel.


O sanduíche que pedimos estava muito bom. Há várias opções de bebidas, como refrigerantes, coquetéis e caipirinhas. Experimentei o coquetel com maracujá e adorei a combinação. Se quiser café, eles também servem e não há consumação mínima.


À esquerda, o bar do restaurante, onde o funcionário prepara sua bebida e/ou sanduíche. Veja que há também mesas no meio do salão, mas o mais interessante é sentar-se àquelas ao lado das janelas.



Bem de frente, você vê os banhistas curtindo a praia. Os mais aventureiros escalam a grande pedra.


Lobby Bar do Sheraton Grand Rio Hotel & Resort.


Do lado direito, a vista para as praias; do lado esquerdo, a "favela" do Vidigal. Um cenário que é a cara do Rio. Atrás da gente, fica a piscina do hotel.


A entrada do Lobby Bar mostra o bom gosto na decoração do hotel. O Sheraton Grand Rio Hotel é lindo.
E, depois do Lobby Bar, que tal andar pelo pátio do hotel e continuar tirando fotos da linda vista? 


Nenhum comentário: